Serra cobra do PSDB aprovação de Orçamento de SP

Administrando o maior Estado do País sem Orçamento há 47 dias, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), mandou um recado à bancada tucana na Assembléia Legislativa. Ele quer a peça de 2007 aprovada até o próximo dia 28. O prazo é apertado e a operação de guerra já foi montada pela liderança do governo. Na próxima quinta-feira, 22, o relatório terá que ser aprovado na Comissão de Finanças e Orçamento. Para cumprir as 12 horas de discussão obrigatória do projeto em plenário, está programada a convocação dos deputados para sessão extraordinária na segunda-feira, 26. O debate deverá se estender até terça-feira para, no dia seguinte, a proposta orçamentária ir à votação. Na quinta-feira, 15, a reunião da comissão para analisar o relatório final do Orçamento foi suspensa. Por mais de uma vez, Serra fez apelos públicos pedindo rapidez aos deputados. Afinal, o atraso tem submetido o governo a restrições de gastos.Por lei, enquanto o Orçamento não passar pelo crivo do Legislativo, o Estado pode gastar somente 1/12 do valor por mês e fica impedido de dispor de eventuais excessos de arrecadação.Os tucanos estão otimistas e acreditam que não terão problemas para aprovar o Orçamento de R$ 84,9 bilhões - na passagem pela Assembléia Legislativa, o projeto original foi alterado e a previsão de receita aumentada em R$ 425 milhões.EleiçãoOutra boa notícia para o PSDB é que o presidente da Assembléia, Rodrigo Garcia (PFL), decidiu não disputar a reeleição, abrindo caminho para o candidato governista, Vaz de Lima (PSDB). Na noite de quinta-feira, o pefelista se reuniria com o tucano para sacramentar o apoio à sua candidatura. A eleição está marcada para 15 de março.O deputado Antônio Salim Curiati (PP) confirmou sua candidatura à presidência da Casa. Após o carnaval, o parlamentar mais antigo da Assembléia enviará aos colegas uma carta com pedido de apoio e críticas ao relacionamento entre deputados e governo. "Não existe independência nem harmonia", afirmou. "Hoje, quem manda aqui é o Executivo. Precisamos reagir". Com a saída de Garcia da disputa, o PT deve anunciar apoio ao candidato tucano e definir a vitória do governo. A próxima reunião da bancada está marcada para o dia 28. O PSDB já garantiu aos petistas o segundo maior cargo da Assembléia, o de primeiro secretário da Mesa Diretora. A oposição também pede o comando de algumas comissões permanentes da Casa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.