Serra classifica quebra de sigilo como 'crime contra a Constituição'

Em visita a feira Gospel, tucano diz que, a partir de agora, o PSDB que tratará do assunto

Gustavo Uribe, da Agência Estado,

07 de setembro de 2010 | 18h58

O candidato do PSDB a presidente, José Serra, voltou nesta terça-feira, 7, a tratar da quebra do sigilo de sua filha Verônica como "crime contra a Constituição". O tucano limitou-se a reafirmar que o episódio revela a utilização da máquina do governo federal para fins de natureza eleitoral e disse que não comentará mais o episódio. "Eu hoje me permiti não entrar nesse assunto", afirmou. "Vou deixar que o partido, a partir de agora, trate desse assunto."

 

Veja também:

linkGoverno não entregará cabeça de Cartaxo, diz Gilberto Carvalho

linkPT vê 'fogo amigo' de tucanos em MG

linkSigilo fiscal de filha de Serra também foi violado em Mauá

 

Em visita à maior feira de produtos cristãos da América Latina, em São Paulo, o tucano disse que pratica o cristianismo por "convicção" e afirmou que não é um "cristão de boca-de-urna", sem se referir a nenhum adversário específico. "Eu não sou cristão de boca-de-urna para agradar a eleitores e conquistar votos e, no dia seguinte, esquecer o assunto", disse.

 

Ao lado do candidato do PSDB a governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, Serra assegurou acreditar profundamente em preceitos cristãos, como justiça e verdade, que, para ele, fariam "muito bem" se aplicados na política. "Chega de enganação, chega de mentira."

 

Num rápido corpo a corpo com frequentadores da ExpoCristã, Serra tomou café e foi presenteado com DVDs, CDs e livros gospel. Na breve caminhada, ele folheou uma Bíblia e abraçou fiéis. O candidato defendeu ainda maior investimento do Ministério do Turismo em cidades que atraem o turismo religioso. O tucano disse ser a segunda vez que visita a feira e elogiou os evangélicos por promoverem a leitura.

 

Marina. Serra chegou às 16h45, mais de uma hora depois do horário marcado. O atraso despertou a curiosidade entre os visitantes. Um deles perguntou aos jornalistas se era uma estrela gospel. Outros três perguntaram se o candidato era Marina Silva (PV), que é protestante da Igreja Assembleia de Deus. Ao saberem que o candidato era Serra, preferiram ir embora. Na saída da feira, Serra cantou com um grupo uma música gospel cujo refrão era "Tudo vai dar certo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.