Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Tiago Queiroz/AE
Tiago Queiroz/AE

Serra chama campanha de Russomanno de 'demagógica'

Tucano critica planos de candidato do PRB para área da saúde e diz que ele 'tá por fora'

Bruno Boghossian, de O Estado de S. Paulo

19 de setembro de 2012 | 17h44

O candidato do PSDB a prefeito de São Paulo, José Serra, criticou as propostas do líder nas pesquisas de intenção de voto, Celso Russomanno (PRB), e insinuou que seu adversário não está preparado para assumir a gestão da cidade. O tucano chamou sua campanha de "demagógica" e atacou principalmente seus planos para a área de saúde.

"Não é gente que tem experiência, conhecimento para fazer algo positivo pela saúde. O risco é ter um colapso no sistema de saúde se as pessoas que forem cuidar não estiverem preparadas. Exige experiência e conhecimento. Vai muito além de uma campanha eleitoral demagógica", disse Serra, em entrevista após uma caminhada na Penha, zona leste da capital paulista.

Com o objetivo de valorizar sua experiência como administrador, Serra tenta colar a Russomanno e Fernando Haddad (PT) a imagem de que as propostas de seus adversários são "mirabolantes".

"Os outros candidatos, inclusive o Russomanno, estão muito por fora da questão da saúde. Eles não têm ideia do que acontece na saúde, nem mesmo das coisas que existem. Com frequência, os outros candidatos propõem coisas que já existem ou são completamente irrealistas", afirmou.

"Ele não tem noção do que acontece. Ele nem sabia que existia escola bilíngue em São Paulo para surdos-mudos. Ele tá por fora", afirmou Serra. O ensino bilíngue foi citado como proposta de Russomanno no debate promovido pelo Estado, pela TV Cultura e pelo YouTube na última segunda-feira, 17.

Serra prometeu dar atenção especial à saúde. Ele propôs contratar mais 3 mil médicos no município, colocar um ginecologista em cada unidade de saúde e aumentar oferta de leitos em hospitais já existentes. "Às vezes, sai muito mais barato do que fazer um hospital novo", justificou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.