Serra busca interlocução maior no Congresso

Sem ocupar mandato, tucano tenta manter espaço no partido com entrevistas, reuniões e prega entendimento entre aliados

Marcelo de Moraes, de O Estado de S. Paulo

08 de março de 2011 | 08h27

BRASÍLIA - Sem mandato, o tucano José Serra tem procurado manter seu papel central dentro do PSDB ocupando espaços, especialmente com entrevistas e reuniões com as bancadas no Congresso, nas quais tem criticado abertamente o governo. Preocupado com os efeitos da divisão interna da oposição, o ex-presidenciável tucano tem defendido, nesses encontros, que aliado não fale mal de aliado.

 

Na verdade, Serra sabe que, sem mandato parlamentar, cargo executivo ou ministério, precisa se expor mais e ampliar suas iniciativas para manter o espaço e fortalecer sua posição dentro do PSDB. Esta é a primeira vez, desde que se tornou "presidenciável", que ele enfrenta uma situação desse tipo. Na corrida sucessória de 2002, ele ocupava o Ministério da Saúde quando sua candidatura foi lançada para concorrer, e ser derrotado, por Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Em 2006, ocupava a Prefeitura de São Paulo e planejava uma nova candidatura. Acabou perdendo a indicação interna do PSDB e o candidato lançado foi o então governador – e agora de novo no cargo –, Geraldo Alckmin. No ano passado, quando concorreu, Serra estava no comando do governo paulista.

 

Sem essas bases de apoio, Serra tem tomado maior iniciativa e adotado um discurso mais forte contra o governo. Com as bancadas da Câmara e do Senado, fez questão de defender que o PSDB apresentasse em plenário a proposta de correção do valor do salário mínimo para R$ 600.

 

‘Oportunismo’. Esse reajuste foi proposto pelo ex-governador durante sua campanha presidencial contra Dilma Rousseff e Serra avaliou que seria muito ruim para o partido que uma das bandeiras de sua campanha fosse simplesmente ignorada por seus aliados na discussão.

 

"Ia parecer que fomos apenas oportunistas na campanha se não apresentássemos a emenda reajustando o mínimo para o valor que nosso candidato defendeu o tempo inteiro na campanha e que achamos que representa um aumento justo para os trabalhadores", avalia o líder do PSDB na Câmara, deputado Duarte Nogueira.

Mais conteúdo sobre:
PSDBSerraCongresso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.