Serra aponta falta de projeto para o País

Governador cobra de Lula ?rumo mais definido? e faz crítica à política econômica e às ?bolhas de crescimento?

Fausto Macedo, O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2008 | 00h00

O governador José Serra (PSDB) disse ontem que "o Brasil, mais do que nunca, precisa de um projeto nacional de desenvolvimento". Apontando para o governo Lula, o tucano afirmou que "está faltando um rumo mais definido para o Brasil, um projeto de desenvolvimento abrangente, integral".Serra criticou as "bolhas de crescimento" e cobrou uma política para geração de emprego e renda, após o desfile de 7 de Setembro, em São Paulo, que assistiu ao lado do general-de-exército Antônio Gabriel Esper, comandante militar do Sudeste.Ao ser indagado sobre a independência, o governador declarou que o País precisa de rumo de médio e de longo prazos. "Isso é o que mais eu sinto falta em nosso País."Questionado se o Brasil está sem rumo, disse: "Está faltando um rumo mais definido, um projeto que a Nação tenha uma percepção melhor, para onde vai e possa também decidir a respeito desse futuro caminho."O governador assegurou que o projeto para São Paulo é o do desenvolvimento. "Estamos atuando nesse sentido, inclusive aumentando esses investimentos, melhorando a qualidade do gasto público, mobilizando a sociedade, aperfeiçoando e ampliando a infra-estrutura social."Quando falava sobre seus projetos para o Estado, fez uma ressalva e, de novo, mirou o Planalto: "São Paulo sozinho não faz o seu desenvolvimento porque depende do conjunto do País."Serra criticou a política econômica do governo Lula. Na quinta à noite, em rede nacional de TV, o presidente afirmou que o País atravessa um período de solidez econômica e política. "Um requisito fundamental do desenvolvimento é o crescimento sustentado da economia, ano após ano, e não bolhas de crescimento em determinados momentos", assinalou o governador.Ele afirmou que "o Brasil precisa desse projeto para gerar emprego, para gerar renda para as famílias". "Emprego e renda", prosseguiu Serra, "são condições essenciais para que as pessoas possam progredir e aproveitar as oportunidades na vida. Essa é a minha preocupação essencial num dia como hoje, em que comemoramos nossa independência."A uma pergunta sobre a afirmação de Lula de que as oportunidades de emprego estão crescendo e a miséria diminuindo, o governador respondeu com largo sorriso, mas dessa vez não fez nenhuma declaração.Sobre a votação secreta que vai decidir o futuro do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), o governador disse que "duvida que mudem" o regimento do Senado. "O regimento estabelece que é voto secreto. Eles (os senadores) vão decidir isso, tem um ritual."Serra falou ainda sobre o foro privilegiado, que Lula defendeu para governadores. "Acho que em relação a crimes comuns, não. Uma coisa é crime comum, acho que aí não tem que ter foro privilegiado para ninguém. É a minha posição. Com relação a questões de natureza política é evidente que a realidade é outra."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.