Marcio Fernandes/AE
Marcio Fernandes/AE

Serra afirma que se for eleito irá priorizar a saúde

Candidato tucano voltou a dar garantias que pretende cumprir mandato até o fim

Guilherme Waltenberg - Agência Estado

18 de setembro de 2012 | 13h09

SÃO PAULO - O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, afirmou nesta terça-feira, 18, que pretende priorizar a área da saúde caso seja eleito em outubro. Em entrevista ao jornal SPTV, da rede Globo, o candidato afirmou que pretende dar continuidade aos programas do atual prefeito, Gilberto Kassab (PSD), de reurbanização de favelas. "Mais de 70 favelas viraram bairros, (se for eleito) mais 200 virarão bairros também", frisou o tucano.

 

Serra voltou a dar garantias que, se eleito, irá cumprir seu mandato até o fim. Ele explicou que deixou a Prefeitura em 2006, menos de dois anos após assumir o cargo, porque o Estado "corria risco de cair nas mãos do PT", já que o então governador Geraldo Alckmin (PSDB) não podia se reeleger na época. Ele explicou que seu vice, Gilberto Kassab, deu sequência aos seus projetos de governo e, quando foi reeleito em 2008, começou o seu próprio governo.

 

Sobre a rejeição de Kassab, que apoia a sua candidatura, Serra atribuiu à criação do PSD, ao longo do segundo mandato. "As pessoas o identificaram com isso", explicou o tucano.

 

O candidato foi questionado sobre o projeto da Nova Luz, proposto ainda em sua administração, que prevê a reurbanização de áreas do centro da cidade e, pelo cronograma da Prefeitura, deveria estar pronto desde abril do ano passado. O tucano defendeu o projeto, dizendo que ele "não fracassou". "Se revelou muito difícil por problemas legais", justificou. "É uma mudança muito radical".

 

Ao analisar a atual administração, Serra pontuou algumas diferenças que teria de Kassab se estivesse no seu lugar. Ele disse que aceleraria o processo de aprovação de obras de construção em toda a cidade.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012SPSerraentrevista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.