Serra acusa Lula de usar máquina pública para campanha

O prefeito de São Paulo, José Serra, um dos nomes mais cotados do PSDB para disputar as eleições presidenciais deste ano, acusou hoje o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de fazer uso da máquina governamental com fins eleitoreiros. "Ao meu ver, ele (Lula) está se excedendo na utilização da máquina pública para a campanha eleitoral e nem sempre emitindo os melhores conceitos", disse o prefeito, após visitar obras do Fura-Fila.Apesar da crítica, Serra reconheceu que Lula ainda é um nome competitivo na corrida eleitoral. "O Lula é competitivo, não tenho dúvida", disse, ao ser questionado sobre o fato de vários tucanos, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, terem reconhecido nos últimos dias que o presidente da República ainda é um nome forte eleitoralmente. Mesmo assim, o prefeito insistiu que o presidente está se excedendo no uso da máquina pública com objetivo de fazer sua campanha à reeleição.Ao exemplificar suas afirmações, Serra disse que Lula "faz uma pregação das excelências das ignorâncias e do não estudo" ao propor a não realização de concurso público para a contratação de agentes sanitários. "Não pode um presidente da República dizer que não quer fazer concurso porque no concurso passam as pessoas mais preparadas", afirmou. "Nós devemos é estimular a nossa população a estudar e não desestimulá-la dizendo: olha, não adianta estudar pois não vamos fazer concurso para que aqueles que se prepararem melhor não ingressem no serviço público."Serra também acusou o presidente de divulgar obras de saneamento financiadas com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), sugerindo que o governo federal faz propaganda de obras custeadas com recursos do Fat. "O FAT é um fundo e não é partidário. Ele está aí para emprestar. Agora, eles (o governo) estão se apresentando como titulares disso", disse.No ataque, Serra comparou Lula ao ex-prefeito de São Paulo, Paulo Maluf, que segundo ele tem o hábito de levar o crédito por obras que não foram exclusivamente feitas em sua gestão. "Daqui a pouco, vai parecer o Maluf e dizer que fez as Marginais, dizer que fez a Faria Lima", disse o prefeito, em referência às Marginais Pinheiros e Tietê e à Avenida Faria Lima, na zona Sul da capital. "Daqui a pouco (Lula) vai se apresentar como o dono de tudo e, como o Fernando Henrique (Cardoso) costuma dizer, vai dizer que descobriu o Brasil".Após a visita ao antigo Fura-Fila, obra iniciada na gestão do ex-prefeito Celso Pitta e que já passou por várias paralisações ao longo dos últimos anos, Serra criticou o projeto original e ressaltou que as melhorias feitas por sua administração beneficiarão um número maior de pessoas. A atual administração municipal quer fazer um corredor expresso para ligar o Parque D. Pedro, no centro da capital, à Cidade Tiradentes, na zona Leste."Vamos agora pisar no acelerador para finalmente concluir essa obra", disse o prefeito, afirmando que o projeto deve ficar totalmente pronto dentro de três anos. Questionado por um jornalista sobre se ele próprio iria entregar essa obra, Serra desconversou e disse apenas ter certeza de que a obra será concluída. Serra estava acompanhado de dois pré-candidatos tucanos ao governo de São Paulo, Alberto Goldman, líder do PSDB na Câmara e Paulo Renato, ex-ministro da Educação do governo Fernando Henrique.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.