Serra acusa adversários de empregarem métodos nazistas

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, acusou hoje seus adversários de utilizarem métodos nazistas nos ataques que estão fazendo à sua candidatura nos programas do horário eleitoral gratuito. "É aquela velha estratégia do Goebbels (Joseph Goebbels, chefe da comunicação nazista de Adolf Hitler) que repete uma mentira até fazer com que ela se transforme em verdade", afirmou.Sem citar nominalmente os adversários Marta Suplicy (PT) e Paulo Maluf (PP), o tucano se referiu às acusações dos adversários de que teria mentido ao dizer que levou o metrô até o Tatuapé. Essas acusações foram veiculadas nos programas do PT e do PP. "Eu nunca disse que levei o metrô até o Tatuapé. O que eu disse é que nós conseguimos financiar pela primeira vez, através do BNDES, o metrô de Itaquera. Só que os adversários ficam repetindo isso o tempo inteiro (que ele levou o metrô até o Tatuapé)".José Serra faz campanha na tarde de hoje na zona leste da capital. O primeiro evento, que teve início por volta das 12h30, foi uma caminhada pela Avenida Amador Bueno da Veiga. Deste local, José Serra seguiu em carreata até a Avenida São Miguel, na altura do Largo da Ponte Rasa. Nesta reta final de campanha, os tucanos estão centrando esforços nos principais redutos eleitorais petistas e malufistas.Durante entrevista coletiva concedida após a caminhada na Avenida Amador Bueno da Veiga, o tucano prometeu entregar o seu programa de governo até o dia das eleições, no próximo Domingo. FiscalizaçãoO PSDB trabalha também no sentido de reunir o maior número de militantes possível para atuar como fiscais no dia 3 de outubro. Perguntado se temia algum tipo de fraude, o candidato disse apenas: "Sabemos que o PT joga com tudo, então o negócio é prevenir."De acordo com o presidente do diretório municipal do PSDB e um dos coordenadores da campanha de Serra, deputado Edson Aparecido, a idéia é reunir 6 mil militantes tucanos no dia das eleições.José Serra falou, também, que não teme ser atacado pelos adversários, principalmente Paulo Maluf, no debate da Rede Globo, dia 30. "Vou continuar mantendo o meu comportamento, que é o de apresentar propostas. Não temo nada e não tenho receio", limitou-se a dizer. Serra disse estranhar o fato de sua adversária Marta Suplicy não estar mais aparecendo no horário eleitoral gratuito do PT. Segundo ele, isso ocorre porque os petistas estão preferindo partir para as acusações. Ao fazer a crítica, Serra invocou uma das frases que utilizava quando disputou a Presidência da República, em 2002: "PT é um partido apegado ao passado, dirige pelo retrovisor."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.