Serra abre propaganda com imagens de Lula

O candidato do PSDB à sucessão presidencial, José Serra, abriu seu programa no horário gratuito veiculado na noite de hoje (19) com imagens do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o principal cabo eleitoral da sua adversária na disputa, Dilma Rousseff (PT). Nos 5 primeiros segundos da inserção de 7min18, Serra e Lula foram chamados de "homens de história" e "líderes experientes", em contraponto à critica a Dilma que veio logo a seguir, na voz do locutor: "Serra, o mais preparado para comandar o País. A vivência que Dilma não tem."

GUSTAVO URIBE E CAROLINA FREITAS, Agência Estado

19 de agosto de 2010 | 21h53

A inserção do tucano focou-se na área de saúde e no combate às drogas. Serra foi apresentado como o melhor ministro da saúde que o País já teve e listou mais uma vez, como tem feito nas outras peças do PSDB, as iniciativas das quais foi responsável pela implementação na pasta e no governo de São Paulo, como o lançamento dos genéricos no País. O presidenciável foi mostrado como um estadista de coragem que "peitou os grandes laboratórios" e diminuiu o preço dos coquetéis para melhora do quadro clínico de portadores do vírus da aids. "O Serra enfrentou os laboratórios e o medicamento caiu de preço."

O candidato do PSDB prometeu em um eventual governo instituir uma política nacional de combate às drogas, com destaque ao crack. O tucano criticou o governo federal por não oferecer prevenção ou tratamento público aos viciados. "Essa deve ser uma responsabilidade do presidente", cobrou. "Temos de ter clínicas de recuperação para dependentes de drogas, temos de ter uma rede em todo o Brasil, pôr o governo federal para apoiar essas clínicas, o que hoje não existe." A propaganda mostrou a história de Maria Regina, uma ex-viciada que atribuiu sua cura às clínicas de reabilitação criadas por Serra em São Paulo. "Se o Serra não tivesse viabilizado o tratamento, não estaria aqui contando essa história."

Além de Serra, outra candidata que apresentou uma nova inserção na noite de hoje foi Marina Silva, do PV. Diferente da propaganda anterior, em que mostrava na maior parte do momento imagens dos efeitos do aquecimento global, a veiculada nesta noite apresentou a trajetória da presidenciável do PV de forma criativa. Em vez de imagens, o PV utilizou eleitores para contar a história de Marina, que foi apresentada como uma menina pobre que venceu na vida graças à educação.

A candidata do PT, Dilma Rousseff, também veiculou uma espécie de resumo de sua biografia, a mesma inserção transmitida no primeiro dia do programa eleitoral gratuito, em 17 de agosto. Nela, Lula afirma que grande parte do seu sucesso de seu governo "está na capacidade de coordenação da companheira Dilma". "Acho que não tem hoje no Brasil ninguém mais preparado que a Dilma", afirmou Lula.

Os outros candidatos veicularam a mesma inserção apresentada no início da tarde de hoje. Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) usou um poema e imagens em preto e branco para falar sobre os latifúndios e a necessidade de desapropriações no campo. Ivan Pinheiro (PCB) falou contra o capitalismo e classificou a "democracia burguesa" como um "jogo de cartas marcadas". Zé Maria (PSTU) prometeu dobrar o salário mínimo. José Maria Eymael (PSDC) falou sobre o "mandamento da dignidade" e convidou os eleitores a acessarem a TV Eymael, em seu site. Levy Fidelix (PRTB) autodenominou-se "o presidente do progresso e do desenvolvimento". Rui Pimenta, do PCO, voltou a defender a implantação do socialismo no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.