Daniel Teixeira
Daniel Teixeira

Série de reportagens sobre desafios do Brasil vira livro

‘A Reconstrução do Brasil’, publicada entre setembro de 2016 e janeiro deste ano, pós-impeachment, já está à venda em livrarias e bancas de jornal; obra do ‘Estado’ apresenta soluções para País sair da crise

O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2017 | 16h00

A série especial de reportagens sobre os desafios do Brasil para alcançar o desenvolvimento sustentável, a estabilidade política e o bem-estar social, pós-impeachment, virou livro. A Reconstrução do Brasil será lançada pelo Estado na terça-feira, dia 19 – o e-book estará disponível a partir de outubro. A obra reúne as 15 reportagens produzidas pelo jornalista José Fucs, repórter especial do jornal, e os dez editoriais correlatos publicados entre setembro de 2016 e janeiro deste ano.

Veja as reportagens que deram origem ao livro

Cada tema apresentado ao leitor ao longo da série, como reforma da Previdência, ajuste fiscal, cerco à corrupção, desestatização e novo pacto federativo, traz soluções propostas por especialistas da área – Fucs fez mais de 50 entrevistas. A lista reúne nomes de peso, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso – autor do prefácio –; o economista Antonio Delfim Netto, ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura; os juristas Célio Borja e Nelson Jobim, ambos ex-ministros do Supremo Tribunal Federal (STF); e o cientista político Luiz Felipe d’Avila, presidente do Centro de Liderança Política.

Seguindo a mesma ordem das publicações no jornal, a obra exibe no primeiro capítulo a apresentação geral da série. Hora de Mudar serve como uma espécie de resumo dos principais desafios a serem enfrentados pelo País e pelo mandato de Michel Temer, na travessia até 2019. Da realização da reforma política à adoção de um novo pacto federativo e do equilíbrio das contas públicas e das reformas tributária e trabalhista à melhoria do ambiente de negócios, a série, e consequentemente o livro, engloba as principais questões que travam o desenvolvimento do País na visão de especialistas e do Estado. O jornal volta a publicar um livro após nove anos – a última obra que recebeu o selo do jornal foi Mordaça no Estadão, de José Maria Mayrink.

Já na página 13, Fucs traduz a situação em maio de 2016, quando teve início o governo Temer: “Na essência, o que está em jogo é a escolha entre dois Brasis. Um, que ganhou uma força descomunal nos últimos anos e agora está na berlinda, é o Brasil da ilha de fantasias de Brasília, do Estado obeso e perdulário, que drena a produção e o trabalho dos brasileiros para sustentar seu apetite insaciável. É o Brasil dos pequenos e grandes privilégios obtidos com dinheiro dos pagadores de impostos; dos burocratas que criam dificuldades para vender facilidades; e dos funcionários públicos, que não precisam se preocupar com a crise, porque têm estabilidade no emprego”.

E continua: “O outro Brasil, massacrado pelo peso da carruagem que tem de puxar, é o Brasil real, o Brasil dos mortais, que paga impostos de primeiro mundo e recebe serviços de terceiro mundo. É o Brasil dos brasileiros que têm de trabalhar duro para pagar suas contas em dia e garantir o mínimo de qualidade de vida para si mesmos e para suas famílias; dos que sofrem com a recessão prolongada e com o desemprego. É o Brasil que valoriza a meritocracia, o esforço individual e o sucesso alcançado sem pixulecos nem favores oficiais”.

Hoje, segundo Fucs, essa escolha ainda se faz necessária, de olho já em 2018, quando a população será convocada para escolher um novo presidente, apesar de alguns temas terem avançado, como a reforma trabalhista e a PEC do Teto de Gastos. “Mas a agenda das reformas se mantém oito meses após o fim da série. E certamente vai permear todo o debate político e eleitoral do ano que vem. Me sinto confortável em afirmar que o livro dá uma contribuição considerável para essa discussão, não apenas apontando os problemas a serem enfrentados, mas apresentando propostas para solucioná-los”, disse. “É um ponto de partida.”

Detalhes do funcionamento da máquina pública são revelados ao leitor ao longo de 150 páginas. Nelas, informações atualizadas e reveladoras comprovam a necessidade de modernização do Estado, corte de gastos públicos e mudança no atual sistema eleitoral, em busca de uma maior representatividade e menor distanciamento entre o eleito e o eleitor. Na página 27, Fucs cita uma pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos, sobre as instituições no País, para mostrar que o envolvimento de dezenas de parlamentares e governantes em escândalos de corrupção colocou a classe política em último lugar no ranking da credibilidade nacional. Dos entrevistados, 78% afirmaram não confiar nos políticos e 19% disseram confiar pouco.

Outros dados pincelados em todo o livro ajudam a explicar parte do nosso atraso e da urgente necessidade de reformas complexas para um melhor funcionamento do País. No capítulo 5, intitulado A Batalha contra os Privilégios, o leitor é informado de que no período de 2001 a 2014 o total de funcionários públicos na ativa nos três níveis de governo (federal, estadual e municipal) passou de 5,8 milhões para quase 9 milhões. “O rombo existente hoje nos orçamentos do governo federal e de vários Estados e municípios é decorrente, em boa medida, do inchaço da folha de pagamento.” Desde 2001, as despesas com pessoal tiveram um crescimento de 127% – são R$ 218,6 milhões a mais, o suficiente para pagar o Bolsa Família a 13 milhões de brasileiros por sete anos.

“Embora a expressão ‘choque de gestão’ esteja meio desgastada hoje em dia, ela reflete com perfeição a profunda reforma pela qual o Estado brasileiro tem de passar, com a adoção de ferramentas de administração da iniciativa privada, para deixar de sugar recursos cada vez maiores da sociedade e entregar serviços cada vez melhores aos cidadãos e às empresas. A ideia, cultivada desde sempre no País, de que, para melhorar a situação do governo e os serviços públicos, é só gastar mais terá de ceder espaço, enfim, à busca por mais eficiência, à otimização das despesas e às parcerias com o setor privado e as organizações sociais. Ao final desse processo, quem sabe, talvez possa emergir um Estado mais enxuto, mais ágil e com menos corrupção”, resumiu Fucs, que se dedicou por sete meses à produção da série.

A repercussão positiva do trabalho se refletiu também nos editoriais do Estado. Durante a publicação da série, o jornal publicou dez editoriais com base nos temas abordados em A Reconstrução do Brasil – todos esses textos também compõem o livro tanto na versão impressa como na digital. “Para mim, participar desse projeto foi um privilégio. Começamos logo depois do impeachment. O Brasil, naquela época, estava detonado. A ideia foi mesmo tentar mostrar caminhos para voltarmos aos trilhos e numa época em que o jornalismo do dia a dia nos deixa pouca margem para discutir ideias, aprofundar o debate. E sem ficar em cima do muro.”

QUEM É

José Fucs. Repórter especial do 'Estado'.

Jornalista desde 1983, é repórter especial do Estado. Foi repórter especial da Época, editor-chefe da revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios e editor executivo da Exame. Trabalhou também como repórter na Gazeta Mercantil e na Folha de S.Paulo.

A RECONSTRUÇÃO DO BRASIL

Autor

José Fucs

Editora

O Estado de S. Paulo

Número de páginas: 

150

Versões

R$ 39,90 (livro) e R$ 24,90 (e-book)

Lançamento

19 de setembro, às 19h, na Livraria Cultura (Av. Paulista, 2.073, Conjunto Nacional, São Paulo, SP)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.