Seria mais caro ir e voltar a Brasília, diz Ana

Segundo nota da assessoria do Ministério da Cultura, informou ainda que a ministra teve reuniões não incluídas na agenda

Leandro Colon / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2011 | 16h00

Em resposta enviada ao Estado, a assessoria de imprensa do Ministério da Cultura argumentou que sai mais barato para a ministra Ana de Hollanda receber a diária por dias não trabalhados do que retornar a Brasília para refazer a rota.

 

Veja também:

linkMinistra recebe diárias por fins de semana no Rio

linkBastidores: Uma ministra isolada e em busca de apoio na classe cultural

 

A assessoria informou ainda que a ministra teve reuniões que não foram incluídas na agenda. Afirmou, também, que não existe previsão de devolução do valor das diárias.

 

Segundo a assessoria do ministério, Ana recebeu a diária do dia 9 de janeiro, um domingo, quando estava no Rio, porque "seria menos oneroso para a administração pública pagar uma diária (R$ 581,00) em vez de pagar uma passagem de ida e volta do Rio de Janeiro para Brasília (R$ 694,14 – valor pago pelas passagens emitidas)".

 

O mesmo, segundo explicação do ministério, teria ocorrido no fim de semana seguinte. "No dia 16 de janeiro, a ministra permaneceu no Rio de Janeiro, já que seria menos oneroso para a administração pública pagar uma diária e meia (R$ 871,50) em vez de pagar uma viagem de ida e volta do Rio de Janeiro para Brasília (R$ 903,24 – valor pago pelas passagens emitidas)", diz a resposta da assessoria. Argumento parecido foi dado para o pagamento relativo ao dia 10 de abril.

 

Residência. Segundo a pasta, embora Ana tenha imóvel no Rio, a ministra tem direito a receber diárias quando deixa Brasília a trabalho.

 

"A ministra não tem residência no Rio de Janeiro, nem em São Paulo. Ela tem imóvel na capital fluminense. Pela lei, ministros de Estado têm de ter residência fixa na capital federal. Por isso, a ministra reside em Brasília. Sendo assim, a ministra Ana de Hollanda faz jus às diárias quando se desloca de Brasília", argumentou a assessoria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.