Sérgio Naya absolvido das mortes no Palace 2

O deputado federal cassado Sérgio Naya foi absolvido no processo que apurava as responsabilidades pela morte de oito pessoas no desabamento do edifício Palace 2, no carnaval de 1998. Apenas o engenheiro responsável pelos cálculos, José Roberto Chendes, foi considerado culpado. A decisão foi do juiz da 33.ª Vara Criminal, Heraldo Saturno de Oliveira. A notícia foi recebida com perplexidade pelas 200 famílias que ficaram desabrigadas quando o prédio ruiu, em 22 de fevereiro de 1998.352 famílias desabrigadasO desabamento do Edifício Palace 2, na Barra da Tijuca, matou 8 pessoas e deixou 352 famílias desabrigadas. Uma semana depois, o prédio foi implodido. Segundo a prefeitura, o condomínio apresentava irregularidades no habite-se e em licenças. Pouco depois, a Justiça bloqueou os bens do então deputado federal Sérgio Naya, dono da Sersan, construtora responsável pelo edifício. Numa gravação divulgada na TV, ele admitia usar material de segunda-mão como se fosse novo e falsificar assinaturas. Naya teve o mandato de deputado cassado e foi indiciado como responsável pelo desabamento. Acusado de desabamento doloso e com a prisão preventiva decretada, em 13 de dezembro de 1999, o ex-deputado entregou-se dois dias depois, na Vara de Execuções Criminais do Distrito Federal. No dia seguinte, foi transferido para o Rio. Seus advogados tentaram o relaxamento da prisão em várias instâncias. Mas Naya passou Natal e ano-novo preso. A defesa também recorreu da sentença da juíza Márcia de Carvalho, que, em 1998, condenou Naya a indenizar os ex-moradores do Palace 2 por danos morais e materiais. O Tribunal de Justiça do Rio manteve a sentença. Ao depor, Naya acusou os moradores de ocupar irregularmente o prédio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.