JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Explosão mata dois operários em visita de Moro a fábrica em Maringá

O ex-ministro Sérgio Moro estava em outra área da Cocamar quando dois funcionários sofreram um acidente na ala fabril da empresa; o pré-candidato a presidente não foi atingido e suspendeu a visita de imediato

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2022 | 13h56
Atualizado 05 de março de 2022 | 14h20

Dois trabalhadores morreram após uma explosão na ala fabril da Cooperativa Agroindustrial de Maringá (Cocamar), na manhã desta sexta-feira, 4, em Maringá, no norte do Paraná. O pré-candidato à Presidência, Sérgio Moro, visitava a fábrica no momento do acidente, mas discursava na área administrativa, longe do local do acidente.

Por meio de nota, a assessoria de imprensa de Moro afirmou que, quando informado da explosão, o ex-juiz interrompeu o discurso que fazia, lamentou o acidente, prestou solidariedade ao corpo funcional e suspendeu a visitação.  Segundo a Cocamar, os dois operários prestavam serviço terceirizado.

Moro cumpria agenda no norte do Estado acompanhado do senador Alvaro Dias (Podemos-PR). Ele esteve em Londrina nesta quinta-feira, 3, visitou a sede da Embrapa e fez um novo evento de lançamento de seu livro “Contra o Sistema de Corrupção”. Em Maringá, município onde nasceu, cancelou o restante da agenda que incluia um almoço com representantes da Associação Comercial e Empresarial de Maringá. 

A Cocamar informou que a explosão aconteceu na Estação de Tratamento de Efluentes e que as causas do acidente ainda estão sendo investigadas. 

“A cooperativa esclarece que em todos os seus setores são adotados rigorosos protocolos de segurança, sendo que os trabalhadores utilizavam todos os equipamentos de proteção, e comunica também que está prestando assistência às famílias das vítimas, às quais se solidariza”, declarou a empresa.

De acordo com o Corpo de Bombeiros de Maringá, uma das vítimas tinha 32 anos e a outra 36. "Com base na análise do cenário e nas informações de testemunhas, as duas vítimas trabalhavam na montagem de uma estrutura na planta industrial da cooperativa, e acabaram utilizando solda em um tanque de efluentes de biodiesel, o que gerava uma atmosfera explosiva. Com a violência da explosão, as vítimas e o reservatório estavam a aproximadamente 20 metros do local original", escreveu em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.