Reprodução/Redes sociais
Reprodução/Redes sociais

Moro repete presidenciáveis e usa chapéu de sertanejo

Em Recife para o lançamento de seu livro, Sérgio Moro se junta a Bolsonaro, Alckmin e FHC na galeria dos presidenciáveis que acenam ao voto nordestino com chapéus de couro

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2021 | 08h16

Correções: 06/12/2021 | 12h14

De passagem pelo Nordeste, o pré-candidato à Presidência Sérgio Moro (Podemos) posou com um chapéu de sertanejo ao lado de apoiadores neste domingo, 5, no Recife. O ex-juiz visitou a capital pernambucana como parte da agenda de lançamento de seu livro, “Contra o Sistema da Corrupção”. A obra narra sua passagem pelo governo Jair Bolsonaro e os bastidores da Lava Jato. 

Desde que se filiou ao Podemos e vestiu o figurino de pré-candidato, esta é a primeira vez que Moro cumpre agenda no Nordeste. O jurista dá seus primeiros passos e tenta angariar votos na região considerada reduto político do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), um de seus principais oponentes. Fotos do ex-ministro com o chapéu geraram repercussão e ganharam tração nas redes nesta segunda-feira, 6.

O uso de chapéus associados à cultura nordestina, como o chapéu de couro e o chapéu de boiadeiro, é de praxe durante campanhas e pré-campanhas à Presidência da República. Nomes que disputaram outras eleições fizeram gesto parecido, incluindo a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e os então candidatos Geraldo Alckmin (PSDB), Fernando Haddad (PT), José Serra (PSDB), Aécio Neves (PSDB), entre outros. 

O presidente Jair Bolsonaro vestiu a peça em mais de uma oportunidade, tanto durante sua campanha, em 2018, quanto em viagens pelo Nordeste depois de eleito. O mandatário também tem o costume de usar um chapéu de vaqueiro, menor e mais arredondado, quando visita a região. Ele fez uso do item na inauguração do aeroporto de Vitória da Conquista, na Bahia, em 2019, e durante viagem ao interior do Piauí em 2020, por exemplo.

Durante o evento no Recife, Moro voltou a pautar sua fala no combate à corrupção e à pobreza. Ele afirmou ser favorável aos programas de transferência de renda, que, acredita, precisam ser mantidos. O ex-juiz também reforçou a sugestão de criar uma agência reguladora com foco na erradicação da pobreza. 

Poucos minutos antes do evento, manifestantes protestaram contra o jurista em frente ao teatro, carregando a faixa "Moro Suspeito prendeu Lula sem provas". Após proferir palavras de ordem e chamar a atenção do público, os protestantes foram embora sem animosidade. 

Assine o Estadão para ter acesso a notícias e análises mais aprofundadas, além de um aplicativo exclusivo e sem publicidade.

Correções
06/12/2021 | 12h14

Versão anterior deste texto descrevia o item usado por Sérgio Moro como "chapéu de cangaceiro". Após comentários de leitores, o termo foi ajustado para "chapéu sertanejo". 

Tudo o que sabemos sobre:
Sérgio Moroeleições 2022

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.