Sérgio Guerra rebate críticas de Lula sobre crise no Senado

Na Líbia, presidente atacou a oposição afirmando que o PSDB quer ganhar presidência do Senado 'no tapetão'

Nélia Marquez, da Agência Estado,

01 de julho de 2009 | 18h42

O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), classificou nesta quarta-feira, 1,  em declaração divulgada por sua assessoria, como uma profunda injustiça as críticas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao pedido de afastamento do presidente do Senado, José Sarney, pelas direções do PSDB, do DEM e do PDT. Em Sirte, na Líbia, Lula atacou a oposição afirmando que o PSDB quer ganhar o Senado "no tapetão".

 

Veja também:

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

 

"O presidente Lula devia saber que estamos fazendo todo o esforço possível para encontrar uma solução para o Senado. Os senadores do PT sabem disso", afirmou Guerra, de acordo com sua assessoria.

 

Sérgio Guerra explicou que, caso Sarney decida renunciar ao cargo, o senador Marconi Perillo (PSDB-GO), que ocupa a vice-presidência, ficaria apenas trinta dias. Nesse período, caberia a Perillo, caso a hipótese da renúncia fosse confirmada, convocar eleição para a sucessão de Sarney. "Não é plausível sua afirmação", disse Guerra, ainda de acordo com sua assessoria. E completou: "Um presidente da república não pode viver em cima de um palanque eternamente. Sua afirmação não tem cabimento".

 

Veja a declaração de Sérgio Guerra:

 

O presidente Lula devia saber que estamos fazendo todo o esforço possível para encontrar uma solução para o Senado. Os senadores do PT sabem disso. Afirmar que o PSDB quer assumir é uma profunda injustiça. O senador Marconi Perillo (PASDB-GO) poderá assumir em um prazo muito curto na hipótese de Sarney se afastar. Não é plausível sua afirmação. Um presidente da república não pode viver em cima de um palanque eternamente. Sua afirmação não tem cabimento.

 

Sérgio Guerra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.