Sérgio Guerra afirma que preocupação do PSDB é com a legalidade

Para líder tucano, nota de partidos da base do governo tem a ver com pesquisas eleitorais

Elizabeth Lopes, da Agência Estado

20 de setembro de 2012 | 17h09

Assim que soube da nota divulgada nesta quinta-feira, 20, pelos presidentes dos partidos da base governista, dentre eles o PRB de Celso Russomanno, em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente nacional do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), reagiu dizendo que a preocupação maior de sua legenda é com a legalidade. "Não ouvi ninguém defender qualquer golpe ou procedimento heterodoxo. Nossa preocupação é outra: a legalidade e as urnas". A nota da base aliada do governo trazia ainda acusações à oposição, de usar ''táticas golpistas'' para cobrar de Lula um esclarecimento público diante das denúncias sobre o seu suposto envolvimento direto no escândalo do mensalão.

"Essa nota do governo não tem nada a ver com a nota dos partidos de oposição, mas sim com as pesquisas eleitorais que estão sendo divulgadas (numa referência indireta à pesquisa divulgada nesta quinta pelo Datafolha que aponta uma vantagem de seis pontos porcentuais do tucano José Serra sobre o adversário petista Fernando Haddad)", destacou Sérgio Guerra. E ironizou: "A constatação é de que o PT não disputa mais a liderança das eleições deste ano, mas o segundo lugar."

Na nota oficial que divulgou nesta quinta à tarde, Guerra também rebateu o discurso feito pelo ex-presidente Lula, em Manaus, durante comício realizado na quarta-feira, 19, "no qual, em vez de gastar energia para pedir votos para sua candidata, preferiu atacar o candidato do PSDB à prefeitura da capital amazonense e líder nas pesquisas, o ex-senador Arthur Virgílio". Para o dirigente nacional do PSDB, "o discurso de Lula, em Manaus, é o símbolo da confusão mental desse grupo, que perdeu o rumo".

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoLulaPSDBGuerra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.