Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

Sérgio Camargo é exonerado da Fundação Palmares

Na esteira da reforma ministerial do governo Bolsonaro mirando as eleições 2022, Sérgio Camargo foi exonerado da Fundação Cultural Palmares; Alexandre Ramagem também deixou o comando da Abin

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2022 | 08h59

O governo federal exonerou nesta quinta-feira, 31, o presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, deixando livre o caminho para que ele dispute um cargo nas eleições. O diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência, Alexandre Ramagem, e o secretário da Cultura, Mário Frias, também deixaram seus cargos. As demissões foram publicadas no Diário Oficial da União. 

Também foram desincompatibilizados de seus cargos nove ministros de Estado. A intenção é que eles concorram a vagas no Senado, como é o caso de Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) e Tereza Cristina (Agricultura); ao governo, como Tarcísio de Freitas (Infraestrutura); e a cargos legislativos. O prazo definido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que eles deixassem o Executivo era até o dia 2 de abril. 

Não foi informado o cargo que Camargo pretende disputar. Ele se filiou ao PL, partido do presidente Jair Bolsonaro, na última terça-feira, 29, e promete atuação contra a causa racial caso seja eleito: “Negros não precisam ser vítimas”, escreveu. 

Alexandre Ramagem, que coordenou a segurança de Bolsonaro na campanha presidencial de 2018, e Mário Frias devem disputar vagas na Câmara, também pelo PL.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.