Sérgio Cabral vê sensacionalismo em CPI da Petrobras

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), atribuiu hoje à CPI da Petrobras no Senado um tom de "sensacionalismo político". Para Cabral, seria possível investigar qualquer suspeita sobre a empresa em outras instâncias, como no Ministério Público, na Receita Federal ou nas Comissões Permanentes do Congresso. "Temos instrumentos legais democráticos que poderiam ser utilizados antes desta espetacularização", disse o governador, após encontro com representantes do Grupo de Líderes Empresariais (Lide), na capital paulista. "Meu temor é que a CPI se torne um momento pré-eleitoral, que descambe para o sensacionalismo político."

CAROLINA FREITAS, Agencia Estado

25 de maio de 2009 | 16h12

Questionado sobre a participação decisiva de seu partido, o PMBD, para a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito, Cabral tergiversou: "Já emiti a minha opinião. Acho que não havia necessidade (de criar a CPI)". O governador ainda crê que a partir de agora, com a CPI instaurada, o PMDB tenha um papel fiscalizador. "O PMDB vai fazer o seu papel não de blindagem, mas de parceria para que as coisas sejam feitas de maneira transparente e responsável", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.