PONTES LUCIO/ESTADAO
PONTES LUCIO/ESTADAO

‘Sentença significa que a esquerda perde seu ícone’, diz cientista político

Para professor da USP José Álvaro Moisés, condenação é um fato muito grave, de natureza jurídica e dimensão política

Pablo Pereira, O Estado de S.Paulo

12 Julho 2017 | 23h52

Para o cientista político José Álvaro Moisés, professor da USP, a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 9 anos e meio pelo juiz Sérgio Moro, tem caráter jurídico e político e pode levar a um vazio de lideranças na esquerda brasileira. De acordo com Moisés, a sentença deve ter também um impacto no caso do atual presidente, Michel Temer, denunciado por corrupção. A seguir, trechos da entrevista.

Como o senhor avalia a decisão do juiz Sérgio Moro?

A condenação é um fato muito grave. Esse decisão tem natureza jurídica, mas também dimensão política.

Qual impacto da decisão para o ex-presidente Lula?

Para o ex-presidente, acho que o impacto tem dois desdobramentos: Lula deve usar a decisão de Moro como uma bandeira política para se apresentar como vítima e não como o que ele de fato é, o responsável pela montagem de um esquema sistêmico de corrupção no Brasil. Do ponto de vista geral, significa que a esquerda perde seu ícone. É um fato histórico e significa uma perda extremamente importante para este espectro político brasileiro.

Como fica o quadro político para 2018?

Estamos vivendo um momento que demanda profunda mudança. Que exigiria a emergência de novas lideranças. Se Lula permanecesse como candidato, seria continuidade, não renovação. Talvez tenha chegado a hora de limpar o cenário político, embora isso, em si, não resolva a questão. 

Como crê que a militância reagirá a essa decisão?

Já estão reagindo. Consideram injusta a sentença. Isso indica que parte da militância não foi capaz de entender a dinâmica da democracia, na qual qualquer líder político, poderoso, pode ser processado, julgado e condenado. Mostra que não entenderam que, para o País, pode ser um processo mais profundo, que significa enfrentar o problema da corrupção, que vem de décadas, séculos, mas ocupa um lugar muito sério no cenário. A ponto de algumas pessoas pensarem que não é possível fazer política sem corrupção. Há um déficit de perspectiva republicana na esquerda. Por outro lado, essa condenação do Lula mostra que isso respinga também na situação do presidente Temer. Deste ponto de vista, o significado é positivo. Criamos um ambiente para o império da lei no País. Até hoje não tínhamos avançado nisso. 

Mais conteúdo sobre:
Lulapt

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.