Jefferson Rudy/ Agência Senado
Jefferson Rudy/ Agência Senado

Senadores vão ao Conselho de Ética contra Chico Rodrigues; DEM avalia punição

Destituído nesta quinta do cargo de vice-líder do governo, o senador foi flagrado com dinheiro na cueca durante abordagem da Polícia Federal

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2020 | 12h27
Atualizado 16 de outubro de 2020 | 00h29

BRASÍLIA - Um grupo de senadores decidiu acionar o Conselho de Ética do Senado para investigar Chico Rodrigues (DEM-RR), destituído no fim da manhã desta quinta-feira, 15, do cargo de vice-líder do governo na Casa. Ele foi flagrado ontem com dinheiro na cueca pela Polícia Federal. A representação será protocolada na próxima terça-feira, 20. Em outra frente, o DEM avalia punir o senador do partido.

A denúncia por quebra de decoro será assinada por Styvenson Valentim (Podemos-AC), Jorge Kajuru (Cidadania-GO), Alessandro Vieira (Cidadania-SE), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Lasier Martins (Podemos-RS), integrantes do “Muda, Senado” e da ala defensora da Operação Lava Jato no Congresso.

Em nota, o DEM informou que determinou uma apuração pelo departamento jurídico do partido para acompanhar os desdobramentos da investigação. "Estamos atentos a todos os detalhes da investigação e, havendo a comprovação da prática de atos ilícitos pelo parlamentar, a Executiva Nacional aplicará as sanções disciplinares previstas no Estatuto do partido", diz a nota da legenda.

O estatuto do partido prevê afastamento ou até mesmo expulsão como medida disciplinar para casos como improbidade no cargo público dos filiados, atividade política contrária ao Estado de Direito, ao Regime Democrático e aos interesses partidários e falta de exação no cumprimento dos deveres públicos.

Na manhã desta quinta-feira, Bolsonaro tentou se desvincular das acusações envolvendo o senador. "Alguns acham que toda a corrupção tem a ver com o governo. Não. Nós destinamos aí dezenas de bilhões para Estados e municípios, tem as emendas parlamentares também e, de vez em quando, não é muito raro, a pessoa faz uma malversação desse recurso. Agora, a CGU (Controladoria-Geral da União) está de olho, a nossa Polícia Federal está de olho e tomamos decisões", afirmou o presidente, que já disse ter "quase uma relação estável" com Chico Rodrigues.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.