Senadores são 'inquadráveis', diz Lula sobre Sarney e PT

Presidente se refere à defesa do PT pela saída temporária de Sarney e à instalação da CPI da Petrobras

DENISE CHRISPIM MARIN, Agencia Estado

10 de julho de 2009 | 10h52

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira, 10, que os senadores são "inquadráveis", ou seja, que não podem ser enquadrados por ele, ao se referir à decisão do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que optou pela instalação da CPI da Petrobras para amenizar as tensões na Casa, e à decisão da bancada do PT, que manteve a defesa da saída temporária de Sarney do cargo até o término das investigações das denúncias de irregularidades. "Acho engraçado a ideia de que um presidente enquadre o Senado. Os senadores são 'inquadráveis'. Eles têm mandato de oito anos e eu tenho de quatro", afirmou Lula.

 

Veja Também:

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

especial ESPECIAL: O que será apurado na CPI e a cronologia do caso 

trailer Galeria: vista aérea da casa particular de José Sarney na Península dos Ministros 

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

linkLíder tucano quer que CPI da Petrobras apure Fundação Sarney

Ele disse que desde que embarcou para a Europa, na última sexta-feira, não conversou com o presidente do Senado, nem com integrantes da bancada petista. Lula disse apenas que quando chegar a Brasília, o que deve ocorrer hoje à noite, vai se atualizar sobre essas questões. Ele encerrou nesta manhã sua participação na reunião de cúpula do G-8 e embarcará no início da tarde de volta ao Brasil.

Mais conteúdo sobre:
SenadoLulaCPI da Petrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.