ADRIANO MACHADO|Reuters
ADRIANO MACHADO|Reuters

Senadores recorrem de arquivamento de pedido de cassação de Jucá

Recurso tem a assinatura de seis parlamentares; pedido foi arquivado pelo presidente do Conselho de Ética, João Alberto Souza

Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2016 | 19h59

BRASÍLIA - Seis senadores assinaram nesta quarta-feira, 8, um recurso contra o arquivamento do pedido de cassação do senador Romero Jucá (PMDB-RR). O pedido foi arquivado pelo presidente do Conselho de Ética, João Alberto Souza (PMDB-MA), nessa terça-feira, 7, mesmo dia em que a Procuradoria-Geral da República pediu a prisão do senador por obstrução da Justiça, argumento do pedido de cassação.

O recurso foi protocolado no início da noite no Conselho de Ética e, conforme prevê o regimento, foi assinado por mais de cinco senadores do conselho. Além de Telmário Mota (PDT-RR), autor do pedido de cassação, também assinaram o recurso os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Vanessa Grazziotin (PC do B-AM), João Capiberibe (PSB-AP), Angela Portela (PT-RR)  e Regina Sousa (PT-PI).

O recurso dos senadores terá de ser avaliado pelo plenário do Conselho de Ética, que possui 15 senadores titulares. Para ser aprovado, é necessária maioria simples. Apesar de seis senadores terem assinado o recurso, dois são suplentes no Conselho e podem não participar da votação.

Segundo o presidente do Conselho de Ética, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), a intenção é convocar uma reunião extraordinária para avaliar o recurso logo para quarta-feira, 15, caso haja agenda compatível com as dos senadores membros.

Cassação. O pedido de cassação de Jucá foi feito pelo PDT e protocolado por Telmário após a divulgação de diálogos entre o senador e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado em que Jucá fala que é preciso "trocar o governo" para estancar a "sangria", se referindo, supostamente à Operação Lava Jato.

A situação é semelhante ao caso do ex-senador Delcídio, que foi preso e cassado acusado de tentar obstruir a Justiça após divulgação de uma conversa em que ele sugeria uma rota de fuga para o ex-diretor da área internacional da Petrobrás, Nestor Cerveró, preso no âmbito da Lava Jato.

"Entendo que as gravações de Jucá são muito mais fortes. Delcídio tentava obstruir a Justiça com um caso específico, Jucá fala de um pacto para parar a investigação. Não era um nome, ele queria parar a Operação como um todo", argumenta Telmário.

Ao pedir a prisão de Jucá, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também teria argumentado que o caso de Jucá é mais grave que o de Delcídio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.