Senadores querem saída de diretor em uma semana

Oito parlamentares do PSDB, PMDB, PT e PDT cobram de Sarney a adoção de medidas administrativas, incluindo demissão de Gazineo

Christiane Samarco, O Estadao de S.Paulo

18 de junho de 2009 | 00h00

Exatas 24 horas depois de o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), subir à tribuna para dividir com seus pares a responsabilidade pela crise que abala a instituição, um grupo de oito senadores do PSDB, PMDB, PT e PDT cobrou-lhe, de público, a adoção de medidas administrativas que ele ficara devendo no discurso. Os parlamentares querem a demissão do diretor-geral da Casa e de toda a atual diretoria e deram uma semana de prazo para que Sarney indique o substituto de Alexandre Gazineo. Embora a cobrança com prazo fixo soe como um ultimato, o grupo deixou claro que não há qualquer ameaça de tirar Sarney do cargo. "Queremos resolver o impasse, mas não é uma reunião para decapitar Sarney. Queremos repensar o Senado", afirmou o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE). "Nos sentamos aqui para ver que medidas devem ser tomadas, porque ele não apresentou propostas, não deu o rumo", explicou o anfitrião Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), ao destacar que o grupo conta com Demóstenes Torres (DEM-GO), que não compareceu. "O Sarney ficar ou não na presidência é irrelevante, porque ele não conseguiu dar rumo à Casa."Participaram da elaboração do pacote o líder tucano Arthur Virgílio Neto (AM) e os senadores Tasso Jereissati (PSDB-CE), Pedro Simon (PMDB-RS), Cristovam Buarque (PDT-DF), Tião Viana (PT-AC) e Renato Casagrande (PSB-ES). O grupo também exige auditoria externa para contratos firmados pelo Senado; quer que o novo diretor apresente uma proposta de reforma administrativa no dia da sabatina; pede metas de redução de pessoal e a suspensão de novas contratações e o fim de mordomias dispensáveis ao exercício do mandato. Coube a Tasso levar o esboço do pacote a Sarney, em tom de "sugestão". Para que o documento não seja visto como ideia de apenas 1% dos 80 senadores, a estratégia é colher assinaturas. O presidente da Casa ouviu calado a leitura das medidas. "Como Sarney pediu a todos que sugerissem soluções para a crise, o discurso transformou o que poderia ser um ultimato em um enunciado de boas sugestões", amenizou José Agripino Maia (DEM-RN). Ainda assim, houve confronto. Ao se dar conta de que o grupo é formado por adversários de Sarney na disputa pela presidência da Casa, entre eles Tião Viana, o senador Wellington Salgado (PMDB-MG) protestou. "O que está existindo aqui é uma lua de mel com a derrota. Quem perdeu continua vivendo esta derrota." Furioso com a intervenção do suplente do ministro das Comunicações e senador Hélio Costa (PMDB-MG), Tasso passou uma reprimenda. "Aqueles que nunca participaram de uma eleição devem pensar pelo menos três vezes antes de falar sobre opinião pública."O "desconforto" a que se referiu Tasso também é partilhado por aliados de Sarney e do líder do PMDB, Renan Calheiros (AL). Até o senador Almeida Lima (PMDB-SE) se queixou da demora na tomada de decisões. "Nós é que deveríamos ter tomado providências, porque estamos perdendo espaço e nos distanciando do povo." SugestõesAs 8 propostas de medidas apresentadas ontem pelos senadoresDemissão imediata do atual diretor-geral, Alexandre Gazineo, e de toda a diretoria do SenadoIndicação, no prazo de uma semana, de novo diretor-geral, cuja nomeação dependerá de referendo do plenárioApresentação de proposta de reforma administrativa pelo novo diretor durante a sabatinaA proposta de reforma administrativa deverá ter metas de redução de pessoal e suspensão de novas contrataçõesEliminação de vantagens acessórias inerentes ao exercício do mandato - as chamadas mordomias -, tais como carro, cotas de telefones, etcRealização de reunião ordinária mensal do plenário para definir pauta de votações para o período seguinte. O objetivo é evitar surpresas com o conteúdo das votaçõesReunião do plenário para votar medidas administrativas propostas pela Mesa DiretoraAuditoria externa para todos os contratos firmados pela diretoria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.