Senadores querem juntar processos contra Renan Calheiros

Parlamentares da base e oposição sugerem que representações sejam analisadas juntas, para acelerar votação

18 de setembro de 2007 | 15h41

Depois de articular o movimento pela abstenção, no julgamento da última quarta-feira, no Senado, permitindo a absolvição do presidente da Casa, Renan Calheiros, o senador Aloizio Mercadante (PT-SP) telefonou pela manhã aos senadores avisando que fará um discurso nesta terça-feira, 18, em plenário. Ele vai defender que todos os processos em tramitação no Conselho de Ética contra o presidente do Senado sejam votados em uma única sessão do colegiado e do plenário.   Veja Também:   Especial: veja como foi a sessão que livrou Renan da cassação Cronologia do caso  Entenda os processos contra Renan  Fórum: dê a sua opinião sobre a decisão do Senado   Com isso, ele prefere que nesta quarta, o processo envolvendo a cervejaria seja "sobrestado" (adiado), um jargão regimental que significa ficar aguardando para ser votado com as outras denúncias.   O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) também defendeu que as duas últimas representações contra o presidente do Senado sejam analisadas em conjunto, para que as investigações fossem concluídas em menos tempo.   "Com a anexação das duas representações, num procedimento único, se agilizaria a tramitação, e enceraríamos isso encurtando prazos", afirmou o parlamentar.   As duas últimas representações protocoladas na Secretaria-Geral da Mesa do Senado tratam das denúncias de que Renan Calheiros teria usado laranjas para comprar veículos de comunicação em Alagoas e que o senador e o lobistaLuiz Garcia Coelho teriam montado um esquema de propinas para desviar recursos de ministérios comandados pelo PMDB.   Na quinta(20), a Mesa Diretora do Senado reúne-se para decidir se a última representação (sobre o esquema de propinas) será encaminhada ao Conselho de Ética. Dias, que é o segundo vice-presidente da Mesa, acredita que a representação seja encaminhada ao conselho. "As duas representações anteriores foram encaminhadas ao Conselho de Ética. Imagino que, desta feita, ocorrerá o mesmo."   A última representação foi protocolada pelo PSOL na Mesa Diretora do Senado no último dia 6, com base em reportagens das revistas Veja e Época.   Quarto processo   A Mesa do Senado reúne-se na próxima quinta-feira, às 14 horas, para decidir se encaminha ou não ao Conselho de Ética a quarta representação contra o presidente do Senado, Renan Calheiros, por quebra de decoro parlamentar, protocolada pelo PSOL.   O partido solicita a abertura de processo de investigação para apurar denúncias, publicadas em duas revistas semanais, de que Renan e o lobista Luiz Garcia Coelho teriam montado um esquema de propinas para desviar recursos de ministérios comandados pelo PMDB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.