Senadores pedem afastamento de Palocci

Nomes da oposição e integrantes de partidos da base aliada defendem saída do ministro da Casa Civil para não 'contaminar' governo

Rosa Costa e Eduardo Bresciani

23 de maio de 2011 | 17h52

BRASÍLIA - Senadores da oposição e integrantes de partidos da base aliada defenderam nesta segunda-feira, 23, o afastamento do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci. Em discursos na Casa, nomes do PSDB, PMDB e PP dizem que o ministro não tem mais condições de permanecer no governo.

Veja também:

linkCrise política invade agenda de governadores do PT

linkCondenar sem provas é 'perversidade', diz Cardozo

especialESPECIAL: Os altos e baixos de Palocci

O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) afirma que a presença de Palocci no cargo pode deixar o governo da presidente Dilma Rousseff "exposto, acuado e obrigado a adotar medidas que só pioram a situação". O senador apontou a renúncia do ministro como o melhor caminho para evitar constrangimentos à presidente, já que não conseguiu apresentar explicações convincentes para o seu enriquecimento.

"Amealhar R$7 milhões em quatro anos não é tarefa fácil, ainda mais quando essa façanha foi executada paralelamente ao trabalho de deputado federal", alegou. "Não estou falando de um simples parlamentar, mas de um dos mais importantes quadros do PT no Congresso, envolvido diretamente nos projetos e propostas mais estratégicas para o governo Lula".

As declarações de Jarbas receberam apoio dos senadores Alvaro Dias (PSDB-PR) e Ana Amélia Lemos (PP-RS), partido da base aliada do governo Dilma. “O governo está contaminado com a sua presença. Pode-se até dizer que a oposição está indo em socorro ao governo ao pedir sua saída porque esse caso está contaminando a administração federal”, disse Alvaro Dias em entrevista nesta segunda. Em plenário, o senador anunciou que vai começar a coleta de assinaturas para criar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar Palocci.

Jarbas Vasconcelos reconheceu que será difícil obter no Senado as 27 assinaturas para criar a CPI. Ainda assim, acha que a oposição deve insistir na busca de apoio para a investigação, em vez de se acomodar na "declaração infeliz" do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), de que o caso está encerrado.

"Palocci perdeu todas as condições de ocupar o cargo. Ele deve sair, até porque é quem desde o dia 1º de janeiro exerce a tarefa de indicar, de vetar ocupantes para cargos públicos", reiterou. O ministro lembrou que há pouco mais de cinco anos, Palocci foi obrigado a renunciar o cargo de ministro da Fazenda para não comprometer ainda mais o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. E que ainda assim, "foi premiado com uma segunda chance para fazer a coisa certa, mas que, em vez disso, "incorreu novamente no erro".

Ele lembrou que o caseiro Francenildo dos Santos Costa - que revelou ao Estado transações realizadas na mansão frequentada pelo então ministro e seus amigos de Ribeirão Preto - teve de expor aspecto de sua vida privada para provar a origem legal do dinheiro encontrado na sua conta da Caixa Econômica Federal. E que agora, resta  ao ministro Palocci fazer mesma coisa, "se é que isso é possível".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.