Senadores do PT vão propor reajuste para R$ 16.500

Os senadores da bancada do PT decidiram, em reunião encerrada no final desta tarde, que vão propor na quarta-feira, na reunião de líderes partidários, que o reajuste dos salários dos parlamentares seja calculado com base na inflação dos últimos quatro anos, relataram a senadora Ideli Salvatti (SC), líder do PT no Senado, e o senador Aloizio Mercadante (SP).Se fosse adotada a inflação dos últimos quatro anos como base de cálculo, os senadores e deputados teriam um reajuste de 28%, o que elevaria seus salários de R$ 12.857 para cerca de R$ 16.500, em lugar dos R$ 24.500 definidos pelas Mesas da Câmara e do Senado. Ideli Salvatti e Mercadante informaram ainda que, na reunião, os senadores petistas decidiram apresentar proposta de emenda à Constituição (PEC) estabelecendo que o teto salarial do funcionalismo público passe a ser o valor do salário dos parlamentares. Atualmente, a Constituição prevê como teto salarial os vencimentos de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que é de R$ 24.500.Os petistas vão propor, ainda, que todos os salários de servidores públicos com valores entre R$ 16.500 e R$ 24.500 não sejam reajustados até que a proposta de emenda constitucional seja votada. "Houve uma reação ensurdecedora em relação ao estabelecimento de R$ 24.500 para os salários dos parlamentares. Então, se essa reação é verdadeira, é porque o teto não pode ser nesse valor, tem que ser inferior", disse Ideli Salvatti. "Defendemos que o reajuste salarial dos parlamentares seja a reposição da inflação", acrescentou Mercadante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.