Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Moro se antecipa e marca depoimentos no Congresso

Ministro da Justiça faz investida para atenuar desgaste no Parlamento após divulgação de mensagens e se reúne com Bolsonaro, que manteve o silêncio sobre o caso

O Estado de S. Paulo, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2019 | 18h39

BRASÍLIA - O ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, tentou nesta terça-feira, 11, contornar o desgaste causado com a divulgação de supostas mensagens trocadas com o procurador Deltan Dallagnol, nas quais eles discutem detalhes da Operação Lava Jato. Logo pela manhã, se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro para tratar do assunto e, mais tarde, almoçou com senadores, com quem combinou que irá voluntariamente explicar o episódio em comissões da Câmara e do Senado.

A primeira audiência foi agendada para a próxima quarta-feira na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Na tentativa de evitar pressões para a abertura de uma CPI, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e outros senadores aconselharam o ministro da Justiça a se antecipar para comparecer de forma espontânea ao colegiado.


 

A investida de Moro para evitar desgaste no Congresso ocorre diante do silêncio do presidente Jair Bolsonaro, que até o momento não se pronunciou publicamente sobre o caso. Nesta terça-feira, 11, em visita a São Paulo, o presidente encerrou uma entrevista quando foi questionado sobre as suspeitas que recaem sobre o seu “superministro”.

O almoço desta terça com senadores não estava previsto na agenda do ministro. Foi Moro quem puxou o assunto das mensagens vazadas, segundo relatos de participantes. Ele repetiu aos parlamentares que foi alvo de uma ação criminosa. Alertado por um senador de que não estava ali para se explicar, passou a falar de temas relacionados ao trabalho no ministério. O encontro durou cerca de duas horas.

Segundo Alcolumbre, a expectativa é de que Moro não encontre um clima hostil no Senado na semana que vem. “Chance zero, ele é ministro da Justiça do governo federal e tem a confiança do presidente. O Congresso vai fazer sua parte”, disse ao Estado. O senador também colocou dúvidas sobre o conteúdo das mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil. “As informações são graves. Nós sabemos se esses conteúdos são todos verdadeiros? A gente tem que avaliar, cada dia com sua agonia.”

O The Intercept Brasil publicou conversas que seriam atribuídas a Moro e a procuradores da Operação Lava Jato em Curitiba, nas quais o ex-juiz supostamente sugeriu mudança de ordem nas fases da investigação, além de dar conselhos, fornecer pistas e antecipar uma decisão a Dallagnol.

Nas mensagens, há referências ao processo que levou à condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do triplex do Guarujá. Numa outra conversa, conforme o site, o procurador teria demonstrado dúvidas sobre provas pouco antes de apresentar a denúncia. O The Intercept Brasil diz que recebeu o conteúdo de fonte anônima. O Estado não teve acesso à íntegra do material. 

A Polícia Federal investiga ataques de hackers aos celulares dos procuradores da Lava Jato e do ministro.

 

Dallagnol pode ser obrigado a se explicar.

Na CCJ do Senado, embora Moro tenha conseguido escapar de uma convocação, Dallagnol pode ser obrigado a se explicar. Um requerimento apresentado pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA) e deve ser colocado hoje em votação. A oposição é minoria no colegiado, com apenas 8 dos 27 integrantes.

O clima ameno esperado por Alcolumbre, porém, não deve se repetir na Câmara. Ainda não há data marcada para a visita de Moro, mas a expectativa é de que seja no dia 26.

A oposição na Casa decidiu, nesta terça, obstruir todas as votações para pressionar o ministro a deixar o governo. “As denúncias sobre a conduta do ministro Sérgio Moro e do Ministério Público são gravíssimas. Indicam conluio, comportamento inadequado para aqueles agentes públicos”, afirmou o deputado Orlando Silva (PC do B-SP).

Nem mesmo o PSL, partido de Bolsonaro, se comprometeu em defender o ministro. "O Moro nem é filiado ao PSL, tá certo?”, justificou o presidente da legenda, deputado Luciano Bivar (PSL-PE). Segundo ele, cada parlamentar é livre para se manifestar sobre o caso, mas não haverá uma ação conjunta.

 

Enquanto o presidente mantém silêncio, ministros militares elogiam Moro

Enquanto o presidente mantém silêncio, ministros militares elogiam Moro e dizem que “escutas criminosas” não devem servir como prova para “manchar” a biografia do titular da Justiça, classificado pela caserna como um homem de conduta irretocável.

Nesta terça, foi a vez de o general Eduardo Villas Bôas, ex-comandante do Exército e assessor especial no Gabinete de Segurança Institucional (GSI), publicar um texto em seu Twitter no qual sai em defesa de Moro. O general da reserva disse que o momento atual é “preocupante” e chamou a Lava Jato de “esperança” para a normalização ética das relações institucionais do Brasil.

“Momento preocupante o que estamos vivendo, porque dá margem a que a insensatez e o oportunismo tentem esvaziar a operação Lava Jato”, escreveu o militar. / CAMILA TURTELLI, DANIEL WETERMAN e VERA ROSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.