Senadores aliados brigam após votação de medida provisória

O líder do PL no Senado, Magno Malta (ES), por pouco não avançou sobre o senador Geraldo Mesquita (PSB-AC), depois da votação da medida provisória que autoriza a renegociação das dívidas de pequenos agricultores. Mesquita reclamou que o PL havia votado a favor de emenda da senadora Heloísa Helena (PT-AL), contrariando orientação do governo. "A gente se desgasta e esses caras votam como querem", queixou-se Mesquita ao líder do PT, senador Tião Viana (AC). Não percebeu, porém, que Malta estava próximo. "Eles votaram com o líder, e o líder do PL sou eu. Eles votam com a minha orientação", reagiu Malta, reclamando que Mesquista tratara como ?caras" os senadores do PL. "Nós raciocinamos e chegamos aqui pelo voto. Queremos respeito". Malta aproveitou o momento para criticar o governo, fazendo ressalvas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Eu sou Lula e acredito nele. Mas, se continuar assim, o governo vai ter dificuldades nas reformas", atacou. Amanhã, durante almoço dos senadores da base governista com Lula, a ser realizado na residência do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), Malta pretende, se tiver chance, abordar os problemas na coordenação política do governo no Congresso. "Que o troço está mal articulado, está. Não sabemos de nada, não participamos de nada", afirmou. Para baixar o tom de Malta, que continuava xingando Geraldo Mesquita, a senadora Roseana Sarney (PFL-MA) interveio pedindo calma, tentando evitar tumultos no plenário cheio. "Ele mexeu com a pessoa errada", insistia Magno Malta, numa roda de senadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.