Senador vai processar Estado por investigações de Protógenes

Revista diz que Heráclito Fortes, do DEM, teria sido grampeado ilegalmente por delegado da Satiagraha

Agência Brasil

09 de março de 2009 | 16h02

O senador Heráclito Fortes (DEM-PI) afirmou nesta segunda-feira, 9, que vai abrir um processo por danos morais contra o Estado devido à inclusão de seu nome nas investigações realizadas pelo delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz durante a Operação Satiagraha. O senador afirmou que outro processo, também por danos morais, já está na Justiça contra o delegado.   Veja também: Operação Satiagraha As prisões de Daniel Dantas Os alvos da Operação Satiagraha   Segundo a revista Veja, o senador piauiense foi grampeado ilegalmente, a mando de Queiroz, por um suposto envolvimento com o banqueiro Daniel Dantas. Fortes cobrou explicações sobre por que seu nome foi incluído nas investigações e negou que seja amigo do dono do Opportunity.   Para o senador, a inclusão de seu nome nas investigações seria uma forma de intimidá-lo. "Isso é um absurdo. Em relação a mim, especificamente, é uma tentativa de intimidação pela atuação que tenho feito na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) das ONGs. É isso que está incomodando esse pessoal", disse em entrevista coletiva.   Na avaliação de Heráclito Fortes, Protógenes Queiroz está "a serviço de uma ala do governo" e escolhe seus investigados por duas razões: por fogo amigo, para atingir alas do governo com interesses conflitantes, ou para intimidar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.