Senador tucano quer que promotor explique Caso Bancoop

Álvaro Dias (PSDB-PR) apresentou requerimento à CCJ do Senado para que seja convocada audiência

CAROL PIRES, Agencia Estado

09 de março de 2010 | 19h12

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) apresentou nesta terça-feira, 9, requerimento à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado para que seja convocada audiência com o promotor José Carlos Blat, do Ministério Público de São Paulo, para explicar as denúncias contra o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.

 

O promotor acusa o petista de ter desviado R$ 100 milhões da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop) para caixa 2 do partido. O requerimento deve ser colocado em votação amanhã na CCJ. Na condição de convidado, o promotor de São Paulo pode recusar a solicitação.

 

O senador também pediu ao Tribunal de Contas da União (TCU) a realização de uma auditoria nas contas dos fundos de pensão Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil (Previ); Fundação dos Economiários Federais (Funcef); e Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros), para investigar a aplicação de recursos destas entidades na Bancoop. O pedido precisa ser aprovado pelo plenário do Senado antes de ser encaminhado ao TCU.

 

Investigação comandada por José Carlos Blat aponta desvios da ordem de R$ 100 milhões da Bancoop. Blat está convencido de que uma fatia do montante foi destinada a campanhas eleitorais do PT. O promotor não aponta valores exatos que teriam tomado esse rumo porque, alega, depende de investigações complementares.

 

Na sexta-feira, Blat requereu a quebra do sigilo bancário e fiscal de João Vaccari Neto, que presidiu a cooperativa até fevereiro, quando deixou o cargo para assumir o posto de tesoureiro do PT. Também foi pedida uma devassa nos investimentos de dois ex-diretores da entidade, Ana Maria Érnica e Tomás Edson Botelho Fraga. O promotor quer o bloqueio das contas da Bancoop.

Tudo o que sabemos sobre:
PTSenadoBancooppromotorÁlvaro Dias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.