Senador suplente é 'clandestino', diz presidente da OAB

Para órgão, caso de Edison Lobão Filho é clandestino porque ele ocupará cargo do pai sem ter tido votos

Felipe Recondo, de O Estado de S.Paulo

21 Janeiro 2008 | 18h58

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, classificou como "biônicos" e "clandestinos" os suplentes de senadores, porque, sem terem recebido um único voto, substituem os senadores titulares quando estes deixam o mandato. O caso mais recente é o de Edison Lobão Filho (DEM-MA), que assume no Senado o mandato do pai, senador Edison Lobão (PMDB-MA), que deixou a Casa para assumir o cargo de ministro de Minas e Energia.  "Vamos ter mais um senador clandestino - tão biônico quanto aqueles inventados pelo Pacote de Abril, da ditadura militar, de triste memória", criticou Cezar Britto, referido-se ao conjunto de medidas baixadas em abril de 1977 pelo general Ernesto Geisel, então presidente da República. "Nada expressa melhor o nível de indigência moral do sistema político brasileiro do que a regra anômala dos senadores suplentes, que já venho chamando desde o ano passado de senadores clandestinos e que precisam ser extintos por uma reforma política", prosseguiu Britto. Ele se referia ao fato de que, nas eleições majoritárias, o nome do candidato a suplente de senador não aparece na urna eletrônica nem em eventuais cédulas de papel, das quais constam apenas o candidato a senador e o do candidato a governador. Edison Lobão Filho é investigado pelo Ministério Público do Maranhão por suspeita de ser sócio oculto da distribuidora de bebidas Itumar, que teria sonegado R$ 42 milhões em 2000. Antes mesmo de assumir, já teve de dar explicações e pode ser expulso do DEM (ex-PFL). Outro suplente que recentemente assumiu o mandato sob suspeita foi Gim Argello (PTB-DF), que substituiu o então senador Joaquim Roriz (PMDB-DF), quando este renunciou após ser acusado de irregularidades. Argello e Roriz são investigados como suspeitos de envolvimentos no esquema de desvio de recursos do Banco Regional de Brasília (BRB), revelado pela Operação Aquarela da Polícia Civil do Distrito Federal.

Mais conteúdo sobre:
OABsuplente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.