Geraldo Magela/Agência Senado
Geraldo Magela/Agência Senado

Senador sugere a Guedes aumentar 'corona money' com emendas parlamentares

Alessandro Vieira quer autorização para que parlamentares mudem as indicações de emendas individuais

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2020 | 14h41

BRASÍLIA - O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) vai encaminhar ao ministro da Economia, Paulo Guedes, um ofício pedindo o aumento do dinheiro destinado para combate ao coronavírus por meio das emendas parlamentares. No domingo, 15, Guedes classificou esse montante como "corona money". 

O governo editou uma medida provisória na sexta-feira, 13, transferindo R$ 5 bilhões das emendas indicadas pelo relator do Orçamento neste ano para o guarda-chuva do Ministério da Saúde. Esse dinheiro seria controlado pelo Congresso e agora ficará nas mãos do governo. Agora, o parlamentar pede autorização para os parlamentares mudarem as indicações das emendas individuais - aquelas feitas por cada deputado e senador - neste ano.

Cada congressista tem direito a indicar R$ 15,9 milhões em 2020. O dinheiro dessas emendas é usado para destinar recursos a redutos eleitorais. Como o prazo para definir o destino dos valores neste ano já terminou, o senador pediu uma reabertura para remanejar recursos às ações da Saúde. 

"É importante dentro da possibilidade e da compreensão de cada parlamentar. É absolutamente razoável uma parte desse recurso ser destinada a suprir a necessidade do Estado para combater o coronavírus. Não precisa fazer mágica nem votação oportunista", disse Alessandro Vieira ao Estadão/Broadcast Político

O parlamentar sugere o mesmo para as bancadas estaduais do Congresso, que também têm direito de indicar emendas parlamentares coletivas no Orçamento. O governo é obrigado a pagar esses recursos ao longo do ano, pois as emendas são impositivas. As transferências podem ser bloqueadas quando há risco para o caixa da União.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.