Marcos Oliveira/Agência Senado
Marcos Oliveira/Agência Senado

Senador que se diz indeciso sobre impeachment participa de cerimônia com Temer e faz discurso

Otto Alencar (PSD-BA) ainda não anunciou oficialmente o seu posicionamento sobre o impeachment de Dilma Rousseff, emvotação no Senado

Carla Araújo e Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

09 Agosto 2016 | 12h12

BRASÍLIA - Sem responder oficialmente qual é o seu posicionamento a respeito do processo de impeachment contra a presidente afastada Dilma Rousseff, o senador Otto Alencar (PSD-BA) participa nesta terça-feira, 9, de cerimônia de lançamento do Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, no Palácio do Planalto. O senador foi convidado a falar e fez um discurso. Ele é o primeiro senador a se pronunciar em um evento público no Planalto desde que Temer assumiu a Presidência interina. Segundo interlocutores, o afago ao senador indeciso é um estratégia do Planalto para atrair seu voto e ter uma boa vitória na votação do relatório da comissão especial no Plenário, que dá continuidade no processo de impeachment e acontecen no Senado nesta terça. 

O projeto de revitalização do São Francisco tem sido defendido pelo senador. É considerado primordial para seu Estado e para se capitanear politicamente. Quando Dilma estava na Presidência, Otto sempre se queixava que a pestista não o atendia e nem ouvia seus pleitos. "Não há projeto mais importante para o Nordeste Brasileiro do que esse", disse. "Com esse projeto o senhor será um cidadão nordestino", completou.

Além de ministros, o presidente do Senado, Renan Calheiros, também está presente na cerimônia, sentado ao lado de Temer. A ideia do presidente em exercício, depois da cerimônia, é acompanhar o desenrolar das discussões da votação do relatório no Congresso. Nos últimos dias, quem está operando no Senado, em nome do governo, é o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que tem repassado os relatos ao Planalto. Na última votação, em maio, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, entrou na operação para ajudar o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima. Nesta segunda portanto, se houver necessidade Padilha entra de novo na articulação junto aos senadores,  assim como os ministros

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.