Divulgação
Divulgação

Senador que mudou de lado diz que não acredita em crime de Dilma e que votou por questões políticas

João Alberto Souza (PMDB-MA), que afirmou por diversas vezes ser contrário ao processo, decidiu votar pelo prosseguimento do impeachment: 'Não mudei de ideia, a minha postura foi em função da conjuntura política'

Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2016 | 16h28

BRASÍLIA - A presidente afastada Dilma Rousseff perdeu um voto contra o seu processo de impeachment. Na madrugada desta terã-feira, 9, o senador João Alberto Souza (PMDB-MA), que afirmou por diversas vezes ser contrário ao processo, decidiu votar pelo prosseguimento do impeachment. Em resposta, o senador disse que não acredita em crime da presidente e que mudou o voto por razões políticas. 

"Não mudei de ideia, a minha postura foi em função da conjuntura política. Não foi em função de haver cometido ou não o crime. É uma postura pelo Brasil, de achar que no momento fica muito difícil para a presidente governar", disse João Alberto, que votou contra a abertura do processo de impeachment em maio. 

O senador afirmou que, na primeira votação, acreditava que Dilma tivesse condições de continuar à frente do Executivo, opinião da qual não compartilha mais atualmente. "Vejo que se tornou difícil para ela governar o País, sem maioria na Câmara e no Senado. Se fosse um regime parlamentarista, ela já teria caído", disse. 

O senador afirmou que não esteve com Dilma desde que o processo se iniciou mas que, em razão de questões institucionais, chegou a se encontrar com o presidente em exercício Michel Temer. 

"Diga-se de passagem, Temer nunca pediu o meu voto. Mas evidentemente conversei com o meu partido", esclareceu o senador que se disse incomodado com a posição de isolamento dentro  do PMDB. Dentre os 19 parlamentares da bancada do Senado, somente ele a senadora Kátia Abreu (PMDB-MS) se posicionavam abertamente contra o processo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.