Senador que fez a denúncia pede fim das contas paralelas

Casagrande apontou existência de contas paralelas no valor de R$ 3,74 milhões funcionando com verba da Casa

Eugênia Lopes, de O Estado de S. Paulo,

24 de junho de 2009 | 17h27

O senador Renato Casagrande (PSB-ES) pediu em plenário nesta quarta-feira, 24, o encerramento das contas paralelas do Senado. Ele é responsável pela denúncia da existência de duas contas - uma corrente e outra de poupança - na Caixa Econômica Federal, em nome do Senado, no valor de R$ 3,74 milhões. Casagrande pede ainda que todos os recursos ali depositados sejam recolhidos à conta única do Tesouro Nacional. O senador informou também que encaminhou requerimento ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), pedindo ainda a emissão dos extratos dos últimos cinco anos. Sarney mandou abrir sindicância para apurar a existência das contas.

 

Veja também:

lista Confira a lista dos 663 atos secretos criados no Senado

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

som ÁUDIO: Sarney fala sobre mudanças moralizadoras

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

mais imagens GALERIA DE FOTOS: Sarney discursa no Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

linkPSOL começa a colher assinaturas para CPI dos atos

linkSarney manda investigar conta paralela do Senado

 

Casagrande disse que, por enquanto, não há suspeição sobre as contas que, conforme seu relato, registrava apenas depósitos. Ele apresentou a suposição de que as contas pudessem funcionar para receber pagamentos de vendas de obras do Senado pelo sistema de reembolso. Ele defendeu ainda a exclusão da possibilidade de manutenção de recursos próprios do Senado fora da conta única do Tesouro Nacional. Para ele, o futuro regulamento administrativo do Senado deve impedir tal possibilidade.

 

As investigações do Senado ficarão a cargo da Secretaria de Controle Interno e a comissão de sindicância terá sete dias, a partir da data de publicação do ofício, para concluir os trabalhos. A comissão deverá apurar quem abriu as contas, qual a movimentação que foi feita e por quem esses recursos foram movimentados. A comissão deverá apurar quem abriu as contas, qual a movimentação que foi feita e por quem esses recursos foram movimentados.

 

Ainda de acordo com a assessoria do presidente do Senado, segundo informações da Agência Brasil, o parlamentar não tinha qualquer conhecimento de recursos paralelos aos que estão depositados na Conta Única do Tesouro Nacional. A descoberta da existência de contas paralelas surgiu durante uma investigação realizada pela Comissão de Meio Ambiente do Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.