Senador nega ter beneficiado parentes

Peemedebista diz que não sabia de nomeações por atos secretos

Rosana de Cássia, O Estadao de S.Paulo

20 de junho de 2009 | 00h00

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), negou ontem ter conhecimento da nomeação de seus familiares para cargos na Casa por meio de atos secretos editados nos últimos anos. Sarney admitiu apenas ter pedido ao senador Delcídio Amaral (PT-MS) para contratar Vera Macieira Borges, sobrinha de sua mulher, conforme revelado pelo Estado. Os demais parentes, segundo o senador, foram indicados para o Senado sem o seu conhecimento. Da relação de nomeações desconhecidas constaria, de acordo com o peemedebista, até João Fernando Michels Sarney, seu neto. O Estado revelou, com documentos, que Sarney interviera no Ministério da Agricultura para poder acomodar a sobrinha no Senado. A servidora, conforme informações repassadas pela pasta na manhã de ontem, foi obrigada a restituir aos cofres públicos cerca de R$ 4 mil, por receber indevidamente dois salários. Além do acúmulo de vencimentos, Vera possui um vínculo peculiar com o gabinete do petista. A reportagem foi informada pelo escritório de Delcídio Amaral em Campo Grande que lá a sobrinha de Sarney não trabalhava. "Não tem ninguém aqui com esse nome. É estranho isso", disse um assessor do petista em Campo Grande, quando contactado no início da semana. No gabinete do senador em Brasília, que faz contato diariamente com o escritório de Delcídio na capital sul-mato-grossense, Vera também é uma desconhecida, de acordo com outros assessores consultados pela reportagem. O senador petista garante, porém, que ela é uma funcionária assídua.As demais contratações, de acordo com a nota de Sarney, "algumas até desconhecidas do senador'', não foram feitas a pedido dele. O comunicado acrescenta que, conforme declaração do presidente do Senado, em discurso nesta semana em plenário, cada gabinete de senador e liderança de partido tem autonomia para nomear funcionários.SAÍDAOntem, a liderança do PTB no Senado exonerou Isabella Murad Alves dos Santos, sobrinha de Jorge Murad, genro de Sarney, marido da governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB). Como o Estado revelou nesta semana, a jovem, apesar de morar em Barcelona, na Espanha, recebia salário do Senado. Na época da contratação, o senador Epitácio Cafeteira (MA) era líder do PTB no Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.