Senador Jonas Pinheiro tem morte cerebral

Boletim médico divulgado no começo da tarde de ontem confirmou a morte cerebral do senador Jonas Pinheiro (DEM-MT), de 67 anos. Os aparelhos, no entanto, só serão desligados a pedido da família. A assessoria de imprensa do parlamentar informou que os parentes ainda acreditam em uma recuperação. "Apresenta-se em coma arreativo, com arreflexia de tronco cerebral e evolui, hoje (ontem), para morte encefálica", diz o boletim assinado pelos cardiologistas Ubirajara Lupoli Barbosa, Gentil Farrath Júnior e pelo nefrologista Osvaldo Rabel Filho. O parlamentar está na UTI do Hospital Amecor, em Cuiabá, desde o dia 11, após ter sofrido arritmia cardíaca. Estava em coma induzido, mas o problema se agravou ao não retornar do coma, mesmo após cessar o uso de medicamentos sedativos. Neste período, seu quadro clínico agravou-se em decorrência da diabetes, doença que tem há 23 anos. Um dos principais representantes da bancada ruralista no Congresso, Pinheiro exerce o segundo mandato de senador. Foi deputado federal por três vezes. Seus principais projetos apresentados e aprovados na Casa beneficiam o segmento do agronegócio. Lideranças políticas, produtores rurais e empresários lamentaram a morte cerebral do senador, entre eles o governador de Mato Grosso, Blairo Maggi (PR), que o chamava de "pai" por ter recebido dele convite para seguir carreira política. O senador deixa a mulher, a ex-deputada federal Celcita Pinheiro, e dois filhos. A vaga de Pinheiro no Senado será ocupada pelo primeiro suplente, o empresário Gilberto Goellner.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.