Senador João Alberto vai presidir Conselho de Ética

Os membros do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar (CEDP) do Senado elegeram, na tarde desta quarta-feira, o senador João Alberto Souza (PMDB-MA) para a presidir o órgão. O senador Jayme Campos (DEM-MT) vai ocupar o cargo de vice-presidente do conselho.

DÉBORA ÁLVARES, Agência Estado

03 Abril 2013 | 16h44

A reunião para escolha da presidência do conselho durou menos de 15 minutos e o nome de Alberto foi escolhido em eleição simbólica, com apoio, inclusive, de membros da oposição presentes na reunião, como os senadores Cyro Miranda (PSDB-GO) e Mario Couto (PSDB-PA). "Não quero decepcionar nenhum que tenha votado comigo. Vou procurar agir com equilíbrio, preservando a imagem dos nossos companheiros", destacou o senador assim que assumiu sua cadeira na mesa do conselho.

Essa é a quarta vez que ele assume a presidência do Conselho de Ética do Senado. A primeira delas foi em 2000, para um mandato até 2002. Em 2001, Alberto votou contra a cassação do então senador Jader Barbalho (PMDB-PA), que renunciou ao cargo temendo perder os direitos políticos. Em seguida, João Alberto assumiu novamente o posto. Em 2011, ele se elegeu pela terceira vez com 14 votos dos 15 senadores que compunham o conselho - apenas um em branco.

O Conselho de Ética é o órgão chave do PMDB dentro do Senado e por isso lá era importante ter um nome de confiança. O conselho poderá, eventualmente, discutir uma representação contra o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). No dia da eleição de Renan, a oposição anunciou que, se o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitar a denúncia apresentada pelo Procurador Geral da República, Roberto Gurgel, acusando-o de uso de nota fria, contra o senador, eles acionariam o Conselho de Ética.

Mais conteúdo sobre:
Senado Conselho de Ética presidência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.