Senador João Alberto deixa Conselho de Ética

Escolhido pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), para ocupar o cargo de presidente do Conselho de Ética, o senador João Alberto (PMDB-MA) se afastou do mandato para assumir a Assessoria de Programas Especiais da Casa Civil do governo do Maranhão. No Estado, ele deverá se ocupar também da campanha a prefeito de Bacabal. A bancada do Maranhão terá agora apenas um senador eleito, Epitácio Cafeteira (PTB), e os dois suplentes, sendo um deles Lobão Filho (PMDB), filho do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão.

ROSA COSTA, Agência Estado

29 de setembro de 2011 | 18h56

A vaga de João Alberto será ocupada pelo primeiro-suplente, Clóvis Fecury (DEM-MA). Ex-deputado, Clóvis é filho de Mauro Fecury (PMDB-MA), suplente que substituiu a senadora Roseana Sarney (PMDB-MA), quando ela assumiu o governo do Maranhão. A família é dona de uma rede de ensino superior, com faculdades no Amazonas, Distrito Federal, Maranhão e Pará.

A saída de João Alberto não deve alterar o comportamento do Conselho de Ética, encarregado de investigar e propor punição contra senadores acusados de irregularidades. O órgão reiniciou suas atividades em abril último, tendo 13 de seus 15 integrantes ligados a Sarney. E em nenhum momento, Sarney mostrou a disposição de fortalecer o colegiado que, anos atrás, obrigou os senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e Jader Barbalho (PMDB-PA) a renunciarem ao mandato para não serem cassados pela quebra do decoro parlamentar.

Ao contrário, sob o comando do presidente do Senado e tendo João Alberto três vezes na presidência, o conselho se limitou a arquivar as representações que recebeu. O último engavetamento teve como alvo a representação do PSOL pedindo a abertura de processo contra o senador e ex-ministro dos Transportes Alfredo Nascimento (PR-AM), suspeito de envolvimento em irregularidades constatadas na Pasta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.