Senador do PT lê resposta de Okamotto a denúncias

O senador Tião Viana (PT-AC) leu nesta terça-feira, na CPI dos Bingos, nota em que o presidente do Sebrae (Serviço de Apoio às Pequenas e Microempresas), Paulo Okamotto, nega as denúncias contra ele publicadas pelo Estado e pela revista Veja. Segundo reportagem publicada pelo Estado, Okamotto, em 2002, trocava telefonemas com pessoas que, no ano passado, surgiram como envolvidas no esquema de corrupção do mensalão. De acordo com a revista, Okamotto pagou dívida de R$ 26 mil da filha de Lula, Lurian, quando esta foi candidata a vereadora em São Bernardo do Campo (SP). Na nota lida por Tião Viana, Okamotto afirma que não pagou a dívida da filha de Lula. Em relação à denúncia do jornal, o presidente do Sebrae diz que, como foi coordenador de infra-estrutura da campanha de 2002, "nada mais natural que se relacionasse com freqüência com pessoas envolvidas na campanha", como o então tesoureiro do PT, Silvio Pereira, o presidente do partido, José Dirceu, e o publicitário Duda Mendonça. O presidente da CPI dos Bingos, senador Efraim Morais (PFL-PB), afirmou que a defesa de Okamotto entra em choque com os esforços que ele tem feito para evitar que a CPI quebre seu sigilo bancário, fiscal e telefônico. "O senhor Okamotto está sempre desmentindo os fatos que o envolvem, mas não tem coragem de abrir seu sigilo bancário fiscal e telefônico para esta CPI", afirmou Morais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.