Edilson Rodrigues/Ag. Senado
Edilson Rodrigues/Ag. Senado

Senador diz que vai protocolar pedido de impeachment de Toffoli e Moraes

Pedidos têm base na tese de que teria havido crime de responsabilidade por conta do abuso de poder na abertura do inquérito, determinada por Toffoli, e nas buscas feitas pela PF

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2019 | 18h06

BRASÍLIA - O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) anunciou que um grupo de senadores vai protocolar, ainda nesta terça-feira, 16, pedidos de impeachment contra o presidente do Supremo Tribunal Federal, (STF), Dias Toffoli, e o ministro Alexandre de Moraes após ações determinadas no âmbito do inquérito que apura supostos ataques contra a Corte. 

De acordo com o parlamentar, os pedidos terão como argumento a tese de que houve crime de responsabilidade através de abuso de poder na abertura do inquérito, determinada por Toffoli, e nas buscas feitas pela Polícia Federal e bloqueio de redes sociais, determinadas por Moraes.

"Não estamos buscando pacificação, estamos buscando transparência", disse Vieira, quando questionado se haveria uma forma de pacificação que não fosse os pedidos de impeachment. 

Para o líder do PSL no Senado, Major Olimpio (SP), a atitude de Moraes é "gravíssima". "Ministro do STF não pode tudo", declarou. Ele disse ainda que as recentes ações de Moraes, ao determinar a retirada de notícias do ar e buscas da Polícia Federal contra alvos do inquérito, só reforçam a necessidade de criação da chamada "CPI da Lava-Toga".

 Já o líder do Podemos no Senado, Alvaro Dias (PR), defendeu que eventuais pedidos de impeachment sejam votados no plenário da Casa. "Não vou antecipar julgamento", emendou.

Minoria

O líder da minoria no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse entender que há elementos para pedidos de impeachment contra os dois. "Temos elementos mais do que suficientes", declarou. "Eu rogo aos membros de bom senso do STF que restabeleçam a ordem constitucional", declarou, citando o risco de uma "conflagração" entre Poderes.

Parlamentares que defendem a CPI vão insistir que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), coloque o requerimento de instalação no colegiado - que já foi rejeitado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa - para votação no plenário. Além disso, prometem buscar assinaturas para apresentar um terceiro pedido de instalação da comissão. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.