Senador diz que não será um novo ''''Severino''''

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou ontem, em Maceió, que a crise no Congresso é artificial. "As pessoas pensaram que estavam diante de um fato consumado e de uma pessoa vulnerável, um novo Severino, mas erraram completamente. Em nome da minha dignidade vou resistir até a última hora", declarou Renan, referindo-se ao ex-presidente da Câmara Severino Cavalcante (PP-PE), que em 2005 renunciou ao cargo para não ser cassado, após ser acusado de receber propina do dono do restaurante da Casa. O senador disse que em nenhum momento pensou em renunciar e que tem plena convicção de sua inocência. Renan é investigado pelo Conselho de Ética do Senado, acusado de ter despesas pessoais pagas pelo lobista Cláudio Gontijo, da Construtora Mendes Júnior. Renan nega a acusação e diz que suas contas foram pagas com recursos próprios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.