Geraldo Magela|Agência Senado
Geraldo Magela|Agência Senado

Senador vai a sessão do impeachment mesmo após morte de sogra

Por apelo da família Ronaldo Caiado teria decidido permanecer em Brasília para participar da sessão desta segunda-feira

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

29 Agosto 2016 | 09h48

BRASÍLIA - O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) vai deixar de comparecer à cerimônica de cremação da sogra para participar da audiência com a presidente afastada Dilma Rousseff no Senado.

A assessoria do senador afirmou que a sogra, chamada Odete Carvalho, morreu às 4h30 de enfarto em Salvador, onde morava. Ela tinha 88 anos e será cremada às 17h30.

Por apelo da família, no entanto, Caiado teria decidido permanecer em Brasília para participar do julgamento do impeachment. Ele é um dos mais ferrenhos opositores a Dilma no Senado.

Em seu Facebook, o senador fez uma homenagem à sogra, a quem chamou de “mãe”. Segundo escreveu Caiado, ela estava “ansiosa” pelo desfecho do impeachment.

“Essa perda me abalou muito, pois ela era minha mãe em vida. Gracinha, meu amor, seus irmãos Décio e Patrícia, e os netos e parentes de Dona Odete insistiram muito para que eu ficasse em Brasília hoje. Dona Odete sempre me acompanhou pela TV e estava ansiosa por um desfecho que ajudasse o País. É pelo Brasil e por minha família que vou fazer esse esforço, apesar de minha cabeça estar em Salvador. Descanse em paz, minha mãe”, registrou o senador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.