''''Senador deixa a todos nós desconfortáveis''''

Em seu primeiro mandato como senadora, Marisa Serrano (PSDB-MS) assumiu uma missão "pouco confortável", em suas palavras, de relatar processo por suposta quebra de decoro contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Hoje, ela espera apresentar seu parecer, em conjunto com outro relator, o senador Renato Casagrande (PSB-ES), pondo fim a um trabalho de apuração de cerca de dois meses. A seguir, os principais trechos da conversa, ontem, com o Estado. Qual a sua conclusão sobre o processo contra o senador Renan Calheiros? Quais serão os termos finais de seu relatório? Não vou dizer agora se é pela cassação. O relatório vai ser fechado hoje (ontem) à noite e deve ter entre 50 e 60 páginas. Como a senhora viu a decisão do secretário-adjunto da Mesa, Marcos Santi, de deixar o cargo? A senhora concorda que pode estar havendo manobra para favorecer o presidente Renan Calheiros? Foi um desabafo dele, que está cansado e já havia dito que queria voltar para sua função de origem, na Consultoria do Senado. De qualquer maneira, a demissão é grave, já que ele fala em uma sucessão de fatos. Tudo isso ocorre porque o senador Renan Calheiros não deixou o cargo até o fim do processo, o que deixa a todos nós desconfortáveis. Eu não me sinto confortável. A senhora acha que seu parecer será aprovado? Neste momento não dá para arriscar nenhum placar. A expectativa sempre é positiva. Mas temos de estar preparados. Amanhã (hoje) será uma guerra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.