Senador defende acareação entre senadores e ex-diretora do Prodasen

O senador Jefferson Peres (PDT-AM), que integra o Conselho de Ética, disse hoje que a acareação entre os senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (PSDB-DF) e a ex-diretora do Prodasen Regina Célia Borges, será necessária. ?A eventual recusa dos senadores a uma acareação seria a confissão da culpa?, afirmou.Indagado se a confissão poderia atenuar a situação de ACM e Arruda, o senador Jefferson Peres ressaltou: ? A confissão seria um gesto de dignidade, mas não sei se seria atenuante?. O senador do PDT entende também ser necessário quebrar o sigilo telefônico dos envolvidos na violação do painel do Senado, mas entende que as provas testemunhais são suficientes para a representação de quebra de decoro parlamentar.Peres pediu também que outros senadores, além de ACM e Arruda, que souberam da existência da lista da votação da cassação do então senador Luís Estevão, prestem depoimentos ao Conselho. ?Diante da confirmação de que houve violação do painel eletrônico, quem ouviu falar no assunto na ocasião precisa revelar as conversas?, observou Peres, acrescentando que, no seu caso, nunca soube de lista da votação secreta.As versões segundo as quais muitos parlamentares tinham conhecimento da violação do painel circularam no Congresso nos últimos dois dias e foram, inclusive, publicadas pela imprensa. ?Até o momento o silêncio era compreensível, pois não havia o laudo da Unicamp, mas agora quem sabia é obrigado a revelar as conversas da época sob pena de agir com cumplicidade?, disse. Se isso não acontecer, Peres entende que prevalecerá o ?corporativismo funcionando em nome de um falso coleguismo?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.