Senador acusa governador do Acre de persegui-lo e pede proteção policial

Sérgio Oliveira da Cunha (PMN-AC), que vai se transferir para o PSD, afirma ter sido seguido por um carro durante incursão ao interior do Estado com aliados políticos

Andrea Jubé Vianna, da Agência Estado

20 Setembro 2011 | 18h57

BRASÍLIA - O senador Sérgio Oliveira da Cunha (PMN-AC), conhecido como Sérgio Petecão, acusou nesta terça-feira, 20, o governador do Acre, Tião Viana (PT), de perseguí-lo no Estado e pediu proteção da Polícia do Senado para si e seus familiares. "O que acontecer comigo e com minha família é de inteira responsabilidade das pessoas que hoje estão à frente do governo do Acre", anunciou Petecão da tribuna.

 

Ex-aliado político da família Viana no Acre, Petecão relatou que teria sido seguido por um "carro não identificado" no último final de semana, durante suas incursões ao interior do Estado. Segundo Petecão, seu motorista suspeitou de que estariam sendo seguidos em dois municípios: Xapuri e Epitaciolândia. O senador estava acompanhado de dois deputados estaduais, Marileide Serafim e Denilson Segóvia, que assim como ele, estão de mudança para o PSD.

 

As divergências entre os ex-aliados são de conhecimento público. Tião Viana chamou Petecão de "covarde" em seu Twitter e no Facebook, no dia 16 de setembro: "@tiao_viana: Covarde e desonesto a (sic) ataque patrocinado pelo Senador Petecão, Deputado Rocha e companhia contra a honra de Jorge Viana...usaram dinheiro..."

 

Petecão suspeita de que estaria sendo seguido porque Tião Viana atribui a ele a distribuição de panfletos em todo o Estado com cópia de reportagem da revista IstoÉ, envolvendo o irmão dele, senador Jorge Viana (PT-AC), em suposto desvio de recursos das obras da rodovia BR-364. As obras começaram quando Jorge Viana era governador do Estado.

 

Em aparte, o senador Jorge Viana saiu em defesa própria e do irmão. O acreano acusou o adversário de tentar alterar a reportagem da revista IstoÉ para difamar a sua família no Estado. "O problema não é a repercussão, a reportagem está na internet para quem quiser ver", disse Viana. O petista ainda acusou Petecão de tentar "chamar a atenção" para seus interesses pessoais e acrescentou que "agressões e mentira" não fazem parte do "jogo democrático" com que o governo do Acre teria compromisso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.