Senador acusa assessores da Fazenda de coagir motorista

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) anunciou na CPI dos Bingos que dois assessores do Ministério da Fazenda estão acompanhando o depoimento motorista Eder Macedo Soares - suspeito de ter transportado, de Campinas para São Paulo, suposta quantia de US$ 3 milhões doada por Cuba para o caixa 2 do PT. Para o senador, trata-se de um ato de orientação ou de coação do depoente. Eder é motorista do Ministério da Fazenda, no Rio.Totalmente acuado, o motorista se confunde cada vez mais. Ele acaba de dizer que conheceu somente ontem a advogada que o acompanha, Stela Cristina Nakazato, de São Paulo, que lhe teria sido apresentada por outro advogado, de nome Dr. Hélio.O motorista caiu várias vezes em contradição, ao dizer como conheceu o tal Dr. Hélio. Primeiramente, disse que teria sido na condição de passageiro de um táxi que conduzia. Depois, informou que o conheceu no diretório eleitoral do PT em São Paulo, na Vila Mariana, e, por fim, disse textualmente que não pode dizer como conheceu esta pessoa.O presidente da CPI anunciou oficialmente que o advogado Hélio Silveira, que teria providenciado a advogada Stela Cristina Nakazato para acompanhar o motorista durante o depoimento de hoje, consta no "Consultor Jurídico" como sendo advogado da ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy. O presidente da CPI dos Bingos, senador Efraim Moraes (PFL-PB), anunciou que foi a assessora parlamentar do Ministério da Fazenda, Ilma F. Lima, pediu pessoalmente para antecipar, de hoje para ontem, a data da passagem do motorista Eder Macedo Eustáquio, do Rio de Janeiro para Brasília. Eder, que está depondo na CPI, é motorista do Ministério no Rio. Para Álvaro Dias, a atitude da assessora do Ministério comprova que, antes de comparecer à CPI, Eder recebeu uma aula, "foi blindado para não dizer nada que possa comprometer o ministro". O motorista se mantém praticamente mudo diante das indagações dos membros da CPI, limitando-se a dizer que não se lembra e que não pode responder. Senadores, como Magno Malta (PL-ES) acham que a CPI já tem motivo para mandar prender o motorista por desrespeito à CPI. Durante o depoimento, a advogada que assiste o motorista insiste em dar sinais a ele sobre o que deve ou não responder. Ela já foi repreendida por três pelos senadores por este motivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.