Senado vota prazo de desincompatibilização

O Senado vota nesta quarta-feira, em segundoturno, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que determina que o presidente da República, os governadores e os prefeitosrenunciem aos seus mandatos até seis meses antes das eleições para concorrerem a quaisquer cargos eletivos.Como há umapolêmica muito grande em relação ao assunto, o Palácio do Planalto promete não interferir na questão, deixando a base liberadapara votar como bem preferir. O partido do presidente, o PSDB, no entanto, vai encaminhar contra a proposta.?O governo não vai fechar questão?, informou o líder interino do governo no Senado, senador Romero Jucá (PSDB-RR). ?Comcerteza será uma disputa apertada, porque foi assim no primeiro turno, e a votação em segundo turno já foi adiada duas vezes?,declarou Jucá.No primeiro turno, a emenda foi aprovada apenas com um voto a mais do que o mínimo necessário.Jucá afirmou é contra a PEC, por considerá-la uma mudança das regras do jogo, durante o jogo.?Se essa proposta for aprovada, os mandatos dos prefeitos, dos governadores e do presidente estarão sendo encurtados em nove meses ? seismeses antes das eleições e três meses depois, porque terão renunciado e não poderão voltar aos seus cargos?, acentuou.Seaprovado no plenário do Senado, o projeto irá para a Câmara.O senador Nabor Júnior (PMDB-AC), autor da proposta, defende que o instituto da reeleição, por si só, beneficia a candidaturados aspirantes aos mesmos cargos, cujos nomes já se encontram em evidência perante o eleitorado.Nas últimas eleições só se desincompatibilizou o governador que quis. Foi o caso, por exemplo, do ex-governador de São Paulo,Mário Covas.Se a nova regra exigindo renúncia ao cargo seis meses antes for aprovada até setembro, poderá valer já para aseleições de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.