Senado vai quebrar sigilo de Zoghbi

Ex-diretor é alvo de processo por suspeita em empréstimos

, O Estadao de S.Paulo

16 de junho de 2009 | 00h00

O Senado instaurou processo administrativo e vai quebrar o sigilo telefônico, fiscal e financeiro do ex-diretor de Recursos Humanos João Carlos Zoghbi, suspeito de participar de um esquema de intermediação e cobrança de propina para autorizar o oferecimento de empréstimos consignados para os servidores da Casa. Assinado pelo primeiro-secretário, senador Heráclito Fortes (DEM-PI), o ato que instaurou o processo foi publicado no Boletim de Pessoal do Senado, na última sexta-feira. O processo disciplinar permitirá a quebra dos sigilos. Zoghbi já é alvo de um inquérito da Polícia Federal.O ex-diretor, segundo investigações preliminares, teria operado por meio da Contact - empresa que tem como sócia Maria Izabel Gomes, de 83 anos, ex-babá de Zoghbi. Ela teria sido usada como laranja. A Contact recebeu pelo menos R$ 2,3 milhões do Banco Cruzeiro do Sul, uma das instituições conveniadas. A ação do Senado foi criticada pela defesa do ex-diretor de Recursos Humanos. Segundo o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, a medida serve para tentar retirar o Senado da berlinda por causa da edição em escala industrial de atos secretos que beneficiaram com cargos e elevações de salário apadrinhados e parentes do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), e outros parlamentares. "Em um momento em que há uma crise disseminada no Senado, abre-se uma investigação sem uma reflexão maior como se fosse para dar uma resposta", disse Castro. "É uma falta de critérios que mostra que a investigação está sem rumo", afirmou.Na avaliação de Castro, o processo não se justifica porque Zoghbi já foi denunciado por três crimes pela Polícia do Senado, além de ser investigado pela PF. "É preciso estabelecer quem vai investigar o Zoghbi. Não é assim, abrindo-se várias frentes, que se faz uma investigação. E se chegarem a uma conclusão divergente, quem estará certo?" O processo pode resultar em punições que variam de demissão à perda da aposentadoria por Zoghbi, que deixou o cargo de diretor de Recursos Humanos em 13 de março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.