Senado vai ouvir responsáveis por setor elétrico

Os responsáveis pelo setor de energia dogoverno serão convidados a comparecer ao Senado, possivelmente ainda esta semana, para dar explicações e apresentarsoluções para a crise do fornecimento de energia elétrica.Nesta segunda-feira, o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), quesubiu à tribuna do plenário para propor investigações do caso, sugeriu que uma Comissão Especial de acompanhamento sejainstalada para cobrar soluções para a crise.Renan, embora integre a base aliada, admitiu até mesmo a criação de umaComissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para saber por que se chegou a essa situação crítica no setor.Os pedidos de investigação de Renan Calheiros têm objetivo político: atacar o PFL que há anos controla o setor energético noPaís, principalmente Eletrobrás e Ministério das Minas e Energia.O senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) reagiu. Elenão aceita a transferência de responsabilidade dos problemas de energia ao PFL baiano e nem insinuações de que oex-ministro Rodolpho Tourinho, indicado por ele para o cargo, tenha culpa no racionamento.?O problema foi a área econômicaque impediu a liberação de recursos para investimentos?, atacou ACM, no que foi seguido por outros parlamentares.No Congresso, cresce a mobilização de senadores do Norte e Nordeste para poupar essas duas regiões dos cortescompulsórios de energia.Segundo eles, ali está a população mais carente e, consequentemente, os locais onde se consome menos energia.O presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA) vai defender essa tese junto ao presidente Fernando Henrique Cardoso,em um encontro nesta terça.Também vai falar sobre isso em discurso no plenário, ressaltando que o seu Estado é exportador deenergia e, portanto, não deve ser punido.Jader Barbalho fez questão de afirmar nesta segunda aos seus interlocutores que está?inconformado com o descaso do governo? em relação ao setor.O pleito de Barbalho foi endossado por outros parlamentares. ?O Nordeste não deve ser penalizado?, declarou o líder do PFLno Senado, Hugo Napoleão, ao justificar que a prova de que a região não tem tanta representação no consumo é que hoje elajá fica fora do horário de verão.?O Norte e o Nordeste, por serem mais pobres, têm de ser preservados?, acrescentou ACM.O senador Waldeck Ornéllas(PFL-BA) foi mais longe: acha que além dessas duas regiões, Estados como o Rio Grande do Sul, que é superavitário deenergia (de onde ela não pode ser transportada), têm de ser poupados.Depois de defender também tratamento diferenciado para o Nordeste, principalmente porque se houver racionamento lá oproblema do desemprego será muito mais grave, o presidente da Comissão de Infra-estrutura do Senado, José Alencar(PMDB-MG), acha que o importante, neste momento, é olhar para a frente e ver o que se pode fazer para que o problema nãose agrave e não se repita.Ele defende investimentos em energia eólica, melhor aproveitamento da energia solar e viabilizaçãodo uso do gás natural.Apesar da proximidade de julgamento dos senadores ACM e José Roberto Arruda (sem partido-DF), pela violação do painel devotações, nesta segunda-feira, pela primeira vez no Congresso, a crise energética tomou conta dos debates, em detrimento dos problemaspolíticos.Nesta terça, às 10 horas, a comissão de infra-estrutura define a convocação do ministro Pedro Parente, presidente da Câmara deGestão da Crise, de José Jorge, ministro das Minas e Energia, e do presidente da Agência Nacional de Energia Elétrica, JoséMário Abdo.Há dois pedidos de convocação dos senadores Paulo Hartung e Renan Calheiros. O deputado Fernando Ferro(PT-PE) apresentou à mesa diretora da Câmara sugestão de que o dia 24 de maio seja dedicado exclusivamente ao debatesobre o racionamento.Outra preocupação levantada pelos senadores quando for iniciado o corte de energia é em relação à segurança.Eles sedividem sobre se as Forças Armadas devem ou não ser empregadas para o combate ao crime. O senador Renan Calheiros acha queos militares podem ajudar somente na proteção das fronteiras.Mas ACM e Alencar acham que as Forças Armadas poderiamser convocadas para proteger a população no policiamento de rua.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.